THUNDERSPELL: Banda participa de tributo ao Raven

Publicado: 28/09/2021 por Pedro Mello em Uncategorized

Após participar dos CDs Tributos “Going To Brazil…. The Brazilian Tribute To Motorhead” (com a música “One Nigth Stand”), “For Those About To Brazil… The Brazilian Tribute To AC/DC” (com a música “Heatseeker”) e “Brazil Painted Blood…The Brazilian Tribute To Slayer (com a música “Tormentor”) todos lançados pela gravadora Secret Service Records.

O THUNDERSPELL confirmou sua participação em mais um CD tributo, dessa vez à banda britânica de Heavy Metal Raven. O álbum foi lançado dia 23 de setembro primeiramente no Japão. O disco “All For Raven – The Tribute”, será disponibilizado mundialmente no próximo dia 05 de outubro pela gravadora Inglesa, L.A. Riot Survivor.

′′All for Raven – The Tribute′′ é o primeiro álbum tributo à lenda inglesa da NWOBHM RAVEN. O grupo participou do disco com a música “Fire Power” (do álbum “Wiped Out” de 1982). O THUNDERSPELL é o único representante de toda América Latina presente no álbum ao lado de bandas clássicas como Sacred Steel, Avenger e Martyr, totalizando 12 grupos incríveis, representantes da Europa, EUA, África, América Latina e Ásia.

A versão japonesa já pode ser adquirida no site da ROCK STAKK RECORDS.

http://rockstakk.shop-pro.jp/?pid=163546035

Ou então pelo site da gravadora Inglesa LA Riot Survivor

https://lariotsurvivor.com/…/all-for-raven-the-tribute…/

THUNDERSPELL

Hugowar: Guitar

Leo Rodrigues: Vocals

Bruno Gibson: Bass

Nathan Carvalho: Drums

Bruno Tavares: Guitar

ACOMPANHE A BANDA:

. Website: http://www.thunderspellofficial.ml
. Youtube: https://www.youtube.com/thunderspell_official
. Facebook: https://www.facebook.com/thunderspellmetal/
. Profile: https://www.facebook.com/thunderspell
. Instagram: https://instagram.com/thunderspellmetal
. Deezer: http://www.deezer.com/album/90729692
. Spotify: https://open.spotify.com/artist/68fVME9DDmCGtTARnCZkTg
. SoundCloud: https://soundcloud.com/thunderspellbrasil

CONTATO:
. Email: thunderspell1@hotmail.com

Bruno Gibson

Após a excelente repercussão do projeto “Rob”, veiculado na última edição do Roadie Crew Online Festival, a vocalista FÖXX SALEMA e seu marido, o tecladista Cleber Magalhães, participarão da segunda edição do festival online “Fora Genocida Metal Fest”, que será realizado em duas datas, nos dias 29/10 e em 30/10. A apresentação acontecerá na primeira data do evento e será exibida em https://www.youtube.com/user/pandemmy. A musicista também confirma o lançamento de um novo single autoral em breve, mostrando um pouco mais de suas influências após os dois anos do lançamento do seu clássico debut “Rebel Hearts”.

O último lançamento da vocalista, a balada “Emotional Rain”, tem ganhado destaque inclusive no meio escolar, com uma professora de Minas Gerais utilizando o vídeo do single para um projeto que está desenvolvendo em sala de aula. A professora, de Língua Portuguesa, afirma que a escola está localizada em uma área de grande criminalidade e vulnerabilidade da cidade, e que durante a pandemia foi criado um projeto junto aos alunos sobre temas diversos, fazendo debates em lives temáticas para auxiliar no ensino dos mesmos. O projeto, segundo a professora, visa interligar a cultura e mitologia oriental e a mitologia brasileira. Ao final deste projeto, será realizado um festival online, onde serão abordados temas como transfobia, homofobia, feminismo e racismo, assuntos considerados “polêmicos”.

Ouça o single “Emotional Rain” no Spotify:

Assista ao vídeo clipe de “Rebel Hearts:

Para adquirir o CD debut “Rebel Hearts” em formato físico (autografado e com dedicatória), e também camisetas com estampas diversificadas, basta entrar em contato através da página do Facebook, listada abaixo.

Créditos da Foto: Divulgação

Contatos:

Site: www.foxxsalema.com.br

Spotify: https://bit.ly/FöxxSalema

Bandcamp: https://foxxsalema.bandcamp.com

Instagram: www.instagram.com/foxxsalema

Facebook: https://www.facebook.com/foxxsalema

YouTube: www.youtube.com/user/foxxsalema

Assessoria de Imprensa: www.wargodspress.com.br

Wargods Press

A Staut traz influências que vão dos clássicos dos anos 70 ao som pesado atual. É como pegar o blues, rock clássico, heavy rock, metal, punk, hardcore, hard rock, grunge, prog, stoner, occult e indie, picar todos em pequenos pedaços, colocá-los no fogo e aspirar a sua fumaça. A banda lançou recentemente o disco ”Viajando ao Quadrado” em todas as plataformas de streaming pelo selo latino Electric Funeral Records. Ao ouvir o disco “Viajando ao Quadrado” que contém 10 faixas, isso fica mais claro, pois nessa “trip” sonora todos esses elementos são percebidos dentro de uma unidade forte que é o estilo não tão simplesmente classificável da banda.

Formado no Vale do Paranhana, no Rio Grande do Sul, por Roberta Naviliat Ribeiro (Voz), Renato Ribeiro Neto (Guitarra), Chico Paz (Baixo) e Daniel Seimetz (Bateria), o quarteto busca se conectar com fãs de rock sem preconceitos, falando em português para se aproximar ainda mais das pessoas que vivem ao nosso lado e possuem as mesmas realidades e necessidades dos iguais, sendo todos trabalhadores carentes em um país de poucos privilegiados.

Confira “Viajando ao Quadrado”: https://onerpm.link/103404868412

De onde surgiu o nome “Staut”?

A Staut nasceu em 2004, quando o mercado de cervejas especiais ainda estava engatinhando no Brasil. Nós tínhamos um apreço muito forte por cervejas do tipo Stout. Quando formamos a banda este nome Stout estava muito presente para nós e nos passava uma ideia de força e obscuridade. Logo, resolvemos usar para banda pois sintetizava bem a proposta que tínhamos em mente. Porém na época existia uma banda com esse nome fora do Brasil e por aqui as pessoas estavam chamando a banda de “Estout”,(imitando a pronúncia). Foi quando achamos interessante abrasileirar a palavra, simplificando a pronúncia e eliminando a questão de ter duas bandas com o mesmo nome. Mas para nossa sorte, hoje existe na Noruega, (se não me engano), uma banda Staut que é muito popular por lá. Isso nos traz situações adversas nas redes sociais, muitas delas bem engraçadas!

Como e quando a banda surgiu?

Beta(voz) e eu(Renato guitarra), nos conhecemos no início dos anos 2000. Ambos éramos envolvidos com música, mas cada um tinha seus projetos e não conseguimos fazer nada juntos até 2004. Neste ano, montamos um estúdio para ensaio de bandas no centro da nossa cidade, o qual alugávamos para outras bandas para pagar as despesas do local. Ali a banda nasceu e antes mesmo de fazer shows gravamos a nossa primeira demo “Não é Certo”. Apesar de fazer covers na época, o intuito sempre foi fazer músicas de rock autoral que soassem diferente das bandas de rock Brasileiro que conhecíamos. Já no nosso primeiro show em um festival, levamos o prêmio de melhor banda de rock na categoria nacional. Aquilo nos motivou muito e nos fez acreditar ainda mais no que estávamos fazendo. Depois disso, veio mais músicas, mais festivais, mais prêmios e o mais importante, mais afinidade do público com a banda. A ideia sempre foi se aproximar do público rockeiro que, muitas vezes, curtia o som de bandas clássicas mas tinham a experiência limitada pela questão da compreensão das palavras. Fazemos rock pesado, com atitude mas sem rótulos, falando de forma mais próxima e acessível à pessoas que pensam como nós.

A banda segue promovendo seu último lançamento, o disco ‘Viajando ao Quadrado” . Como foi o processo de gravação desse material?
Beta e eu(Renato Guitarra), estávamos morando em São Paulo, exercendo atividades extra musicais. Aos poucos, nos isolamos e literalmente viajando ao quadrado, começamos a escrever as músicas que fariam parte do disco. Quando estávamos com um disco praticamente escrito, procuramos o músico, produtor e ex-integrante da Staut, Ale Marks de Três Coroas no Rio Grande do Sul. A partir deste momento começamos a pré-produção do disco, que se baseou em troca de arquivos via internet em uma ponte entre São Paulo e Rio Grande do Sul. Até então a banda estava passando por um hiato que durou de 2008 à 2014. Nosso baterista original está morando na Alemanha e não tínhamos encontrado a pessoa certa para fazer parte da banda nesta nova fase. Foi quando o Ale nos apresentou Daniel Seimetz! Baterista que tocava com o Ale em seu projeto de metal e trazia uma técnica impressionante. Agora com Beta no vocal, Renato na guitarra e Daniel na bateria, o Ale Marks assumiu o baixo e partimos para o próximo passo. As gravações ocorreram no Staut Bunker Studio em Taquara-RS. Nosso templo! Um local de liberdade, onde o respeito à expressão e criação são princípios básicos para quem entra.
Foram duas viagens de São Paulo para Taquara! Uma para gravar as guitarras e outra para gravar os vocais. As baterias foram gravadas em seguida e as linhas de baixo vieram logo após com as gravações feitas no Victor´s Lab onde o disco foi mixado. A masterização ficou a cargo de Betho Ieesus do Estúdio Sun Trip em São Paulo, que conhecemos por trabalhos com Ratos de Porão, Charlie Brown Jr., entre outros.

O disco da banda foi muito bem recebido nos sites de música especializada nacionais e internacionais . Como a banda está vendo esse feedback tão positivo do material lançado?

Isso é demais! A música é uma forma de arte na qual você se despe e se joga para o mundo. Você nunca sabe quando há alguém olhando para aquilo que seu coração permitiu expressar. Quando rola a identificação com o público e as pessoas se permitem retribuir esses sentimentos, nos tornamos algo maior e único. Somos todos uma comunidade ou uma família talvez! Podemos não concordar com tudo, mas nos entendemos e possuímos algo mais importante que nos une. Nesses momentos as pessoas nos permitem e nos motivam a representá-las!

Suas músicas demonstram muita intensidade e entrega por parte da banda. Existe alguma composição que seja mais especial para vocês?

Cada música tem uma história e a cada nova música que nasce, temos uma nova preferida! É bem maluco isso! Foi assim desde o início da banda.
No Viajando ao Quadrado há músicas como “BEMRIP” que descreve uma viagem dos últimos momentos de vida de amigo querido que partiu muito jovem levado por uma overdose. Também há contradições de sentimentos, como a motivação em “Fascínio do Além” e a depressão em “Vão”. Ou então temos a “Ogmandino”, uma música que traz uma mensagem positiva no final de um disco de temática tensa, cheio de vícios e pirações. Se fizermos uma leitura por faixas do disco, todas renderam uma boa conversa!

Quais as bandas e fontes artísticas que inspiram o som do Staut?

Nossa, essa pergunta é difícil!! Hahaha… Costumamos dizer que somos influenciados por boa música, porque há muita coisa boa e muita coisa ruim em todos os segmentos do rock. Não gostamos de nos limitar a um estilo pois as coisas ficam repetitivas e pouco criativas. Música tem tudo a ver com atitude e verdade! Acho que tudo que está a nossa volta nos influencia! Política, cinema, quadrinhos, livros, relacionamentos, enfim… No disco Viajando ao Quadrado fizemos três vídeos, sendo que dois deles seguem a ideia de “quadrinhos animados”! O primeiro vídeo foi para a música “Olhos de Sangue” que na verdade funciona como uma introdução para a música “Viajando ao Quadrado”. A ideia era seguir a história da freira possuída por um demônio em um segundo vídeo para a música “Viajando ao Quadrado”. Isso acabou não acontecendo, pois fizemos um vídeo para música “Fermentado”, que segue uma linha mais Stoner Rock, e estava tendo uma atenção maior por parte da galera. Neste vídeo, uma HQ toma vida e rola uma história com muita bebida, carro, moto, briga de bar, morte e viagem para o inferno! Até o capeta bota uma para o cara beber!!! Hahahaha…

De onde vem a ideia de misturar diversos gêneros musicais no som da banda?

Como falamos na pergunta anterior, somos influenciados por música verdadeira. Historicamente vemos que a atitude se sobressai sobre a técnica em diversos momentos no decorrer dos anos e das diversas variações do rock. De tempos em tempos surgem bandas que viram referência, nascem movimentos que geram estereótipos e tudo fica chato em pouco tempo, pois se tu é um bom músico tu vai seguir a cartilha e a indústria vai funcionar até as pessoas cansarem. E assim rock vai perdendo credibilidade comercial, volta para obscuridade até surgir alguém realmente inovador. Estamos sempre procurando bandas novas que trazem referências legais, mas que pareçam diferentes umas das outras. É difícil de se criar uma identidade quando você não segue um movimento definido. Você agrada em determinado momento e desagrada no momento seguinte. Mas já que escolhemos tocar o barco sobre as pedras seguindo uma vida de rock and roll, vamos fazer como acreditamos ser o certo. Misturamos tudo que achamos que é bom, e deixamos com a nossa cara. Temos um material gravado de 2004 à 2008 que não foi lançado oficialmente. Tocamos as músicas ao vivo junto com as do Viajando ao Quadrado. São outras influências de outras épocas e funcionam perfeitamente todas juntas.

Podemos esperar mais material inédito em breve?

Sim!!! Estamos terminando a pré-produção do sucessor do Viajando ao Quadrado. Estamos passando por um momento criativo fantástico com o nosso novo baixista Chico Paz.
Ele é um músico incrível e trouxe para banda uma vibração que não tínhamos há muitos anos. Ele está participando ativamente da parte de composição!
Este novo disco vai além do Viajando ao Quadrado! Será novamente muito variado com músicas que vão do metal ao rock tradicional. Acho que depois deste disco, quem ainda não absorveu a ideia, terá uma visão melhor da proposta da banda. O disco sai em 2022!

Como vocês veem o impacto da pandemia e do desgoverno brasileiro em relação à cultura nacional?

Isso é surreal!! As pessoas saem às ruas em nome da liberdade pedindo para que um tirano tenha plenos poderes no governo(?)!!! O excesso de informação descontrolada é uma nova doença social. As pessoas estão expostas e confusas! É natural do ser humano negar aquilo que lhe desagrada ou lhe fere de alguma forma. Todos queriam uma solução há alguns anos sobre toda aquela coisa de corrupção exposta da política de esquerda. Não estou aqui para julgar se era verdade ou não, mas acredito que não era exclusividade da esquerda. A corrupção e todo esse jogo de valores vem com o poder. Quem está por cima só será destituído por quem também quer o poder a qualquer custo. A galera de direita está cega, pois teme o retorno da esquerda e não vê o preço que estamos pagando por isso. Temos que ter alguém que traga de volta o equilíbrio das coisas. Acho que temos um sistema democrático doente que se auto destrói a cada ano que passa. As pessoas estão se sentindo enganadas o tempo todo e não sabem mais o que pensar. O atual governo acabou com o departamento de cultura no Brasil e prega que professores são comunistas que destroem os bons costumes das famílias. Se continuarmos nesse caminho, nós músicos, artistas, filósofos, professores, seremos fortes candidatos a serem escravos de grandes empresas nos próximos anos, tal ok?!

Collapse Agency

Em ‘Barra Pesada’, quarto e último single antes da chegada em outubro do quinto álbum Tupã-Ra, o The Baggios une poesia, rock e música nordestina junto aos ilustres convidados Chico César e Cátia de França para refletir sobre discrepâncias sociais. É uma música que denuncia os abismos escancarados pela ganância e egos, mas é também sobre olhares sensíveis e reluzentes diante das adversidades.

‘Barra Pesada’ chega às plataformas digitais por meio do selo Toca Discos. Ouça aqui: https://links.altafonte.com/00rnk1p.

A aura solar é a força deste novo single do The Baggios, que dilui a densa reflexão sobre a cada vez mais evidente diferença entre classes sociais, numa dinâmica – tendo o Brasil como referência – em que o rico fica mais rico e, o pobre, cada vez mais pobre.

A composição é do vocalista/guitarrista Julio Andrade, cujos primeiros vislumbres aconteceram durante um período em Barra Grande, na Bahia, em 2019. “Fiquei reparando o choque cultural e social das pessoas que passavam perto de onde estavam, entre os pescadores, trabalhadores de bares turísticos, e quem estava ali para usufruir de tudo”, ele conta sobre uma impressão que deu início à música.

As participações de Chico César e Cátia de França, junto ao caldo único do The Baggios para elucidar a vida, trazem leveza ao tema. São todos artistas do Nordeste, mas cada um gravou de um local diferente. A banda foi em Sergipe, Chico do Uruguai e Cátia do Rio de Janeiro.

O envolvimento de Chico César em ‘Barra Pesada’ é tão consistente que ele inclusive assina parte da letra ao lado de Júlio, que deu total liberdade para que o conterrâneo nordestino (da Paraíba) incluísse a própria leitura do tema na parte em que canta.

A poesia também é igualmente altiva na voz de Cátia, com 75 anos e que em 2021 celebra 42 do célebre disco ‘20 Palavras ao Redor do Sol’, aliás, outra influência de Júlio para compor ‘Barra Pesada’, e que o motivou para o convite de tê-la nesta canção, prontamente aceita.

Quanto à sonoridade, ‘Barra Pesada’ exalta a música nordestina, como o baião, aliada ao rock setentista e entrelaçados às vocalizações poéticas dos convidados.

Acompanhe mais novidades da banda: https://linktr.ee/thebaggios.

Tedesco Mídia

“When Is Starting To Rain”, o próximo single da Zethae, já possui arte de capa e data de lançamento. O single será disponibilizado no formato NFT e nas plataformas digitais no dia 28 de setembro, mas já teve uma veiculação prévia na última edição do programa Comando Noise, apresentado por José Eduardo Brondi.

Fique atento para a estreia do novo single e, enquanto aguarda, confira o mais recente, “Being Sane”, no Spotify:

Para se manter informado das novidades do Zethae, fique ligado nas redes sociais da banda.

Zethae:

Danilo Cardozo (Voz/Piano/Guitarra/Teclados/Programações)

Julio Goss (Bateria/Programações)

Mais informações:

Facebook: https://www.facebook.com/zethae

Instagram: https://www.instagram.com/zethae/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCszxbJ-ApAJgtbAAIch1C0Q

Spotify: https://open.spotify.com/artist/2ahobbtRLdaJ4eMHBc7y5o 

Roadie Metal

Spine Shiver: escute no Spotify o disco “The Road”

Publicado: 28/09/2021 por Pedro Mello em News
Tags:,

Uma das principais revelações do Rock no Brasil, nos últimos anos, a Spine Shiver lançou no ano passado o seu ótimo álbum de estreia, intitulado “The Road”. O álbum, composto por 8 músicas, se encontra disponível nas principais plataformas de streaming musical, e pode ser ouvido no Spotify, através do link abaixo. Não deixe de conferir esse grande lançamento.

A Spine Shiver bem preparando uma série de novidades para o próximo ano, e para ficar por dentro de todas as novidades da banda, acompanhe as redes sociais da banda.

Spine Shiver é:

Elivelton Weirich (Vocalista, guitarra e violão)

Leonardo Marchi (Lead Guitarra)

Michael Rocha (MD Rock) (Baixo)

Carlos Pacheco (Pacheco Cash) (Bateria)

Mais informações:

Website: http://spineshiver.com.br/

Facebook: https://www.facebook.com/SpineShiver/

Instagram: https://www.instagram.com/spineshiveroficial/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UC69PHhjnJ1kr2Ogm9uvxdXg

Spotify: https://open.spotify.com/artist/5ahvMPXck8MQT0fHlcA3ZZ?si=1L5BGo97Q_6tow1kKHa5BA&dl_branch=1

Roadie Metal

Após uma longa espera, a Seth lançou na semana passada o seu tão esperado EP de estreia, “Gods & Curses”. Em paralelo a isso, também foi disponibilizado o novo vídeo da banda, para a música “Maverick”, presente no trabalho recém-lançado. Enquanto o primeiro se encontra disponível nas principais plataformas de streaming musical, o segundo já pode ser assistido no canal oficial da Seth no YouTube. Abaixo, você pode acessar ambos os links. Confira:

Para saber das novidades da Seth, acompanhe as redes sociais da banda.

Seth:

Lucas Villas Boas – Vocal

Wellington Barbosa – Guitarra

William Garbin – Guitarra

Ederson Prado – Baixo

Augusto Souza – Bateria

James Freitas – Teclados

Links:

Facebook: https://www.facebook.com/bandaseth.official/

Instagram: https://www.instagram.com/bandaseth.official/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCCSxB9wgwPVmJ5x5V2fFJKw

Roadie Metal

Após ter feito o lançamento do lyric vídeo da faixa “The Lighthouse”, chegou a vez do single despontar nas plataformas digitais. A Darchitect estreou hoje o novo single, que faz parte do tracklist de “The Visiting”, seu mais recente álbum.

“The Visiting” foi lançado há poucos dias e vem, rapidamente, obtendo um grande e merecido destaque, estando já, há duas semanas, entre os discos mais vendidos na referenciada loja Die Hard, uma das mais conhecidas e respeitadas no país.

Confira o single “The Lighthouse”, no Spotify, pelo link abaixo:

Assista o lyric vídeo de “The Lighthouse” no YouTube da banda, pelo link abaixo:

Para saber de todas as novidades do Darchitect e de seu novo álbum, acompanhe as redes sociais da banda.

Darchitect:

Lucas Coca (vocal)

Alex Marras (guitarra)

André Silva (baixo)

Gabriel Gifoli (bateria)

Mais informações:

Site: www.darchitect.com.br

Facebook: https://web.facebook.com/darchitectofficial/

Instagram: https://www.instagram.com/darchitectofficial/

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UC8Dvp-0gafqQO_HMbuZkZ0w

Roadie Metal

Samael: “Passage” and “Ceremony of Opposite” (reissue)

Publicado: 28/09/2021 por Pedro Mello em News
Tags:,

“Passage” and “Ceremony Of Opposites” are two groundbreaking albums by the Swiss black metallers of SAMAEL, which were hardly available recently. Of course, this state of affairs had to be changed urgently in order to make these milestones accessible to a broad mass again.

Both albums, as different as they are, were light years ahead of their time back then and show the innovative band at its best.

Captivating songs in a modern and unique sound-bed (for that time). Two cult albums that belong in every well-stocked CD collection and on which one timeless classic follows the next.

Follow:
https://www.facebook.com/OfficialSamael
https://www.facebook.com/MDDShop
Order: https://mdd-shop.de/de/search?page=search&page_action=query&desc=on&sdesc=on&keywords=samael

Against PR

O álbum da banda curitibana Evil Politicians vem obtendo excelentes resenhas e retorno nas plataformas digitais. O trabalho, intitulado Indignation Army, conta com uma temática repleta de significados e interpretações.

O vocalista e guitarrista Bruno Martins explica como “Indignation Army” acabou se tornando a faixa-título: “Ela foi a música escolhida para o nome do nosso álbum pois traduz o sentimento colocado em todas as músicas dele. Foi inspirada nos sentimentos de revolta da forma perturbadora que a sociedade enfrenta os problemas sociais”.

Ouça o álbum: https://bit.ly/evil-politicians-album

Aprofundando a origem do tema e a sua construção em torno da música em si, o músico prossegue: “O tema é a desilusão obtida através de falsas promessas que são entregues para todos no decorrer da vida, em todos os parâmetros (familiar, político, emocional etc ). Somos mergulhados em padrões tão incoerentes com a nossa qualidade de vida que essa busca chega a ser insana”, adiciona.

O cinema é visto pelo artista como uma referência nesta composição: “As parte da letra que falam ‘Nunca devíamos ter escutado o que vocês disseram’ ou ‘Eu fui afogado em seus pensamentos’ remetem justamente a injustiça perante a busca de valores incoerentes que são impostos em toda a nossa vida. O filme Clube da Luta’ é uma referência. O consumismo é um tema muito válido e encaixa em uma das interpretações dessa música”.

Por fim, Bruno explica como a parte musical de “Indignation Army” se mescla ao conceito lírico: “A parte musical traz todo o peso necessário pra transmitir essa mensagem, com os riffs elaborados e os tempos  quebrados. Acreditamos que foi a forma mais honesta musicalmente falando, para com a nossa mensagem”. “Acreditamos que essa música é uma arma para ser utilizada para o bem, surtindo em reflexões sobre o que é realmente a felicidade para o indivíduo”, conclui.

Histórico

A Evil Politicians lançou em 2020 o EP No More Fear, seu primeiro registro oficial, que rendeu grande reconhecimento perante público e crítica especializada, entrando em listas de melhores discos do ano, inclusive recebendo uma excelente resenha na revista Roadie Crew.

O som do grupo explora as tendências atuais do metal, mesclando melodias marcantes com o peso do estilo, fazendo uso de vocais agressivos e limpos. Como referências sonoras, citam Disturbed, Hammerfall, Alter Bridge e Avenged Sevenfold. Essas influências são unidas para criar um som atualizado e com personalidade. A Evil Politicians é uma banda que olha para o futuro, sem desprezar o passado.

Ouça nas plataformas digitais:
Spotify: https://open.spotify.com/album/2Nj2ICOpBYpazn0HqexeTS
Deezer: https://www.deezer.com/br/album/236775052
Apple Music: https://music.apple.com/us/album/indignation-army/1571852454
Amazon: https://www.amazon.com/-/pt/gp/product/B0972B7Z69

Informações:
Instagram: www.instagram.com/evil.politicians.official
YouTube: https://bit.ly/youtube-evilpoliticians
Facebook: www.facebook.com/evil.politicians 

Acesso Music