Desde que o Biquini Cavadão surgiu, em 1985, a moeda mudou de nome três vezes, o país enfrentou planos econômicos diversos,  passou por epidemias de cólera, H1N1, febre amarela, dengue, zika, chicungunha, sem contar com as panes elétricas, de petróleo e, claro, muitas crises políticas. O disco de vinil virou CD, mp3 compartilhado em portais como Napster, com a audição por streaming e, novamente, vinil. Os telefones fixos, considerados valorosos patrimônios, foram vencidos pelos celulares que acabaram com os chamados “orelhões” mas também deixaram de fazer apenas ligações para guardar toda nossa vida, agora digitalizada. A cada nova mudança, um novo desafio, e a necessidade de nos adaptarmos a cada um deles. Se isso não foi fácil para cada um de nós, imagine viver e driblar essas mudanças para administrar uma carreira artística. O Biquini Cavadão foi a primeira banda efetivamente presente na Internet, se adaptou bem a toda sorte de transformações, sempre sem perder a sua essência. Por isso mesmo, o grupo, formado por Bruno Gouveia, Carlos Coelho, Miguel Flores da Cunha e Alvaro Birita, lança neste final de 2021 o álbum Através dos Tempos.

Falando em tempo, vamos voltar um pouco nele: em março de 2020, era para o Biquini Cavadão ter celebrado 35 anos com uma imensa turnê pelo país. Eis que a pandemia pega o mundo de surpresa e todos os eventos são adiados ou cancelados. Ainda assim, o Biquini Cavadão não parou. Lançaram o disco Ilustre Guerreiro ao Vivo, gravaram 3 videoclipes em casa, dois singles, participaram de diversas lives, entrevistas….  “O importante era não manter nossa mente em lockdown”- explica o guitarrista Carlos Coelho. Assim, desta maneira, conseguiram dobrar o número de seus seguidores nas redes sociais. Foi então neste momento que surgiu a ideia de um disco de inéditas.

“Era Setembro de 2020. A queda no número de mortes e os resultados das pesquisas com vacinas contra COVID no mundo todo nos deram um sopro de esperança. Foi aí que pensamos em voltarmos aos palcos trazendo novidades, além de matar as saudades de tantas canções”. ‘Até Maio, todos estarão vacinados e poderemos voltar à vida normal’, a gente conversava…. mas levou um pouco mais que isso, né?”-diz Bruno Gouveia.

Para a produção, convidaram Paul Ralphes, o galês que produziu o disco Escuta Aqui (2000) e boa parte  do disco biquini.com.br (1998). Paul, que não trabalhava com o Biquíni há vinte anos, topou com uma condição: que fizesse o disco à distância, visando ao distanciamento social e à saúde de todos. Nada de encontros entre ele e a banda. Todo material foi transmitido via internet, tudo discutido remotamente. Cada um, em seu canto, gravou o que precisava para o disco. Os membros praticamente não se encontraram no estúdio, mas conversavam com frequência sobre os arranjos, os timbres e o desenvolvimento de cada faixa. Nem para as fotos promocionais e os primeiros videoclipes isso aconteceu. Fizeram os registros em horários diferentes, mantiveram o distanciamento necessário e coube depois aos designers e editores a tarefa de juntá-los. Amigos, separados pelo momento, mas atravessando juntos este tempo incerto.

Por isso mesmo, o disco traz em sua essência, um recado de otimismo, resiliência e perseverança. Ao longo de suas nove faixas, a banda discorre sobre esses assuntos, com a certeza de que, de um jeito ou de outro, superaremos as crises que nos acometem. Sempre antenados, já apresentaram mais da metade do álbum em singles lançados desde Julho deste ano. “Queríamos apresentar o disco junto com nossa volta aos palcos. Por isso, fomos administrando estes lançamentos, além de *já* dar o gostinho *aos fãs, do que* vem por aí.”- explica o baterista Alvaro Birita. Mas não é só isso, o grupo investiu em novas tecnologias como o Dolby-Atmos™, que proporciona uma nova sensação espacial para o ouvinte.

No álbum se encontram as já lançadas “Nada é Para Sempre”, uma oração em ritmo de rock; a doce e paternal “A Vida”; a alegre e crítica “A Gente É O Que É”; a balada resiliente “Eu Não Vou Recuar” e o pop solar de “Colhendo Flores”.

A elas, se juntam a suave canção “A Manhã”, com sua teia de arpejos; o rock “Dois Polos”, que trata sobre o transtorno bipolar; a levada folk rock libertária de “Me Sorria com Seu Rosto Inteiro” e a curiosa história da faixa título, um reggae-pop que narra o dia em que Bruno Gouveia se declarou para sua mulher, dez anos atrás.

Através dos Tempos, vislumbra dias melhores, passados estes momentos tão difíceis que todos nós vivemos. Não será algo fácil, mas no que depender de Bruno, Coelho, Alvaro e Miguel, o disco exala a alegria de novas canções que se juntarão aos grandes sucessos na nova tournée por todo Brasil.

Ouça aqui Através do tempo

https://ditto.fm/atraves-dos-tempos-biquini-cavadao

Ana Paula Romeiro

Smith/Kotzen tem o prazer de anunciar o lançamento de seu novo EP de 4 faixas Better Days, que reflete a força contínua da parceria dinâmica de escrita e gravação entre esses dois músicos de classe mundial, após seu álbum de estreia homônimo lançado em março de 2021 para aclamação da mídia e dos fãs, alcançando o Top 20 em mercados como o Reino Unido, Alemanha, EUA e Canadá; uma grande realização para um projeto de colaboração inaugural.
 
Better Days continua essa trajetória com seus ganchos enormes e riffs intensos, juntamente com os vocais agora tradicionais da dupla crescendo ao lado de seu refrão inesquecível.
  
A lista de faixas completa é:
Better Days
Got A Hold On Me
Hate And Love
Rise Again

 
As duas últimas canções do EP foram gravadas em Windermere nas Ilhas Turks & Caicos em março de 2020. Rise Again é outra joia do hard rock que mostra a amplitude e diversidade da parceria única dos aclamados vocalistas / guitarristas. A dupla convocou um de seus renomados amigos bateristas para esta faixa, cuja destreza percussiva fornece a batida de fundo para suas intrincadas escalas. Esta colaboração de músicos de classe mundial é uma emocionante montanha-russa de paisagens sonoras incomparáveis de rock clássico, mas moderno.
 
O álbum está disponível em todas as lojas de discos independentes e disponível para download aqui.

Catto Comunicação

Lançado no primeiro semestre, o debut da banda norte-americana SILVER TALON, de Portland, Oregon, já tem figurado em listas de melhores álbuns do ano. “Decadence and Decay” é fruto da evolução do agora sexteto, formado por Wyatt Howell (vocal), Bryce VanHoosen, Sebastian Silva e Devon Miller (guitarras), Walter Hartzell (baixo) e Michael Thompson (bateria). Se o EP “Becoming A Demon”, de 2018, já mostrava vários sinais de que o grupo alcançaria um grande reconhecimento, foi com o debut, lançado pela M-Theory Audio¸ é que veio a consagração. Praticando um Dark/Power Metal pesado, técnico e consistente, o SILVER TALON agora figura em 35º lugar na concorrida lista de melhores álbuns do ano pela conceituada publicação estadunidense Decibel Magazine, um dos últimos bastiões dedicados ao formato impresso. Na matéria, além de listar 40 álbuns de destaque de 2021, a revista declarou: “Com quase três dezenas de escritores e membros da equipe contribuindo para a lista deste ano, é incrível quanto consenso foi alcançado…. Considerando que álbuns de lendas de várias gerações e bandas com apenas dois anos de idade foram frequentemente defendidos em igual medida, se tornou difícil isolar qualquer tendência no eleitorado da Decibel. Isso sugere uma cena de Metal saudável. E o fato de você opinar sobre quais álbuns incluímos, quais não incluímos e como nós classificamos os que saíram na lista final, confirma que sua paixão não diminuiu nem um pouco nos 17 anos que estamos fazendo isso”.

Confira o texto e a lista completa aqui:

“Decadence and Decay” é recheado de atrativos, desde a capa, criada pelo famoso artista de fantasia Gerald Brom (Doom, Diablo, Magic: The Gathering, World of Warcraft) – enquanto a participação do guitarrista Andy La Rocque (King Diamond, Death) na música “Resistance 2029” abrilhanta o álbum de forma soberba. Se 2020 foi um ano praticamente nulo em termos de shows, a internet possibilitou ao grupo o lançamento de diversos singles e vídeos ao longo da pandemia, como a versão em 8 bits de “Devil Machine”, presente originalmente no EP “Becoming A Demon”, bem como dois singles gravados ao vivo em um show realizado no Texas. No final de 2020 foi lançado um vídeo clipe da faixa “Deceiver, I Am”, e em março deste ano um clipe para “As The World Burns”. Na sequência foi disponibilizado um lyric vídeo para “Kill All Kings” e logo após o clipe de “Divine Fury”.

Assista ao vídeo de “Divine Fury”:

Ouça “Decadence and Decay” no Spotify:

Créditos da foto:Peter Beste

Contatos:

Site oficial: www.silver-talon.com

Gravadora: www.m-theoryaudio.com

Facebook: www.facebook.com/silvertalonband

Bandcamp: https://silvertalon.bandcamp.com

Instagram: www.instagram.com/silver.talon

Twitter: https://twitter.com/silvertalonband

Assessoria de Imprensa: www.wargodspress.com.br

Wargods Press

“Stratosphere Project” é o novo projeto do músico Flávio Brandão. “Depersonalization” é um álbum semi conceitual, onde o músico assina todas as guitarras, baixo, teclados e arranjos de bateria, e convidou vocalistas do mundo inteiro para participar do disco de power metal. Todas as composições são criadas pelo musicista, que é também responsável pela parte técnica de pré e pós-produção dos álbuns. O disco “Depersonalization” se encontra disponível para audição em todas as plataformas de streaming.

As quatro primeiras faixas de “Depersonalization” vem com a ideia de passar por um conjunto de transtornos da mente. As demais músicas não fazem parte desse conceito diretamente, mas tem suas temáticas ora subjetivas, ora inspiradas em ideias dos compositores sobre a vida ou sobre histórias. A música tema do álbum trata da despersonalização, um sintoma muito peculiar em portadores de diversos transtornos onde a pessoa perde a noção da realidade e não sabe mais diferenciar se o que está vendo é, na verdade, um sonho lúcido ou uma alucinação.

Projeto formado no final de 2019, iniciou suas atividades de forma despretensiosa, e consistia de músicas colaborativas focadas no power metal de bandas como Helloween, Stratovarius, Masterplan, entre muitas outras influências musicais. “Stratosphere Projec” – “Depersonalization” conta com a participação dos vocalistas Volker Siefer, Rainer Michael Ludvik, Lean Van Ranna, Gus Castro e Michael Hos.

Sobre as Musicas:
Apathy (Harmonia e Letra por Flavio Brandão) – O álbum inicia com Apathy em um pequeno trecho de um prelúdio inspirado em Bach 935. Em seguida, a música escala para uma levada power metal clássico fortemente inspirada em Helloween e Gamma Ray. Nos vocais temos Volker Siefert.

Depersonalization (Harmonia por Flavio Brandão, Letras por Ludvik) – Assim como descrito na explicação conceitual do álbum. Depersonalization trata de forma suave sobre um sintoma severo em quadros bipolares e de esquizofrenia. Mesmo descrevendo de forma lírica um sintoma de um transtorno, a música traz em seu refrão a ideia de perseverança sobre a tristeza. A levada é muito forte porém cadenciada. Uma fórmula fortemente inspirada nas bandas de power metal do final dos anos 1980 e 1990. Nos vocais temos Rainer Michael Ludvik.

Delusion (Harmonia e Letra por Flavio Brandão) – Delusion traz reflexões sobre o dia a dia de um portador de esquizofrenia que passa diariamente por delírios. Em uma levada cadenciada, a letra diz muito sobre o sentimento de abandono emocional em que os portadores passam, levado muitas vezes pela falta de compreensão das pessoas ao seu redor. Nos vocais temos Lean Van Ranna.

Hallucination (Harmonia e Letra por Flavio Brandão) – Hallucination vem com inspiração dos neoclássicos da década de 90 com uma levada ao estilo Helloween nos primórdios com Kai e Kiske. A letra fala sobre a prova de fogo que é passar por um quadro alucinatório. Nos vocais temos Volker Siefert.

Silver Line (Harmonia e Letra por Flavio Brandão) – Essa música é bem subjetiva, fala um pouco sobre as lutas diárias e o confronto contra nós mesmos em nosso cotidiano e como é possível sempre ver um lado positivo até mesmo na guerra que enfrentamos todos os dias de nossas vidas. A música em si é um heavy metal tradicional com raízes em bandas como Judas Priest. Nos vocais Gus Castro.

Last Call (Harmonia por Flavio Brandão, Letras por Ludvik) – Em Last Call Ludvik faz uma analogia com voos sobre oportunidades perdidas na vida. Às vezes deixamos passar oportunidades únicas na vida por não ter certeza do que realmente queremos. Em levada cadenciada, a música evolui de um lick com uma levada forte da guitarra que desenha a harmonia para os vocais únicos de Ludvik. Nos vocais temos Rainer Michael Ludvik.

Twilight Storm (Harmonia e Letra por Flavio Brandão) – Essa música é temática e trata sobre uma tropa medieval de guerreiros que lutam contra forças sombrias, a chamada Twilight Storm. Com uma levada rápida e fortemente inspirada em Gamma Ray e Stratovarius, essa música se destaca com sua pequena orquestração inspirada na vigésima quinta de Mozart. Nos vocais temos Lean Van Ranna.

Hey Mary (Harmonia por Flavio Brandão, Letra por Flavio Brandão e Michael Hos) – Essa música trata de um relacionamento quebrado onde o locutor pede perdão a Mary por seus erros passados. É uma balada romântica que destoa um pouco do álbum mas que faz sentido em um contexto de vida do compositor Flavio. Com uma levada mais rock, ela mistura um pouco do acústico e das guitarras distorcidas para dar o clima de arrependimento. Nos vocais Michael Hos.

Confira:

Collapse Agency

Siderais

Rock, música latina e conscientização. Esse é o single Enclausurado, que reúne a banda Piratas Siderais e o cantor DIGAØ aos mexicanos do grupo Eufemia. A faixa é um lançamento do selo Musikorama Music Records e da gravadora New Music Brasil.

Escute o single Enclausurado via Spotify

A letra conta com versos em português e em espanhol e retrata um eu-lírico perdido, envolto pela melancolia e aprisionado pelos seus distúrbios psicológicos. O instrumental é inspirado no grunge e no rock alternativo de nomes como Nirvana e  Smashing Pumpkins.

A faixa foi produzida de forma remota e colaborativa. DIGAØ gravou voz e guitarra. Quanto a Piratas Siderais, Vince e Dionatan respectivamente trouxeram linhas de guitarra e baixo e Igor gravou a bateria. A canção ainda conta com a voz de Kike Vargas, da Eufemia. Também vale pontuar que a mixagem e a masterização ficou a cargo do baterista da Eufemia, Charly Cervantes.

DIGAØ aponta que o intercâmbio musical é bom para todos os lados – incluindo o ouvinte.“Enclausurado é uma canção crua, suja e melancólica, ou seja, é um prato cheio para quem gosta dos 90 ‘s sounds. O grunge está vivendo um revival mundial e os apps tornaram o mercado cosmopolita. Por isso, é natural que busquemos cruzar as fronteiras linguísticas. Essa união tripartite mostra o quanto isso é possível”, frisou o artista que também assina a composição da faixa. 

Vermell Press

Um dos grandes nomes do Punk Rock brasileiro na atualidade, a banda Insanidade realizou na noite de ontem, 29 de novembro, uma apresentação ao vivo no programa “Showlivre”. Para quem não teve a oportunidade de assistir à performance da banda, ela agora se encontra disponível no canal do programa no YouTube, podendo ser assistido aqui através do link abaixo.

A Insanidade apresentou recentemente sua nova formação e já conta com um álbum ao vivo com a mesma, que em breve terá sua data de lançamento anunciada. Enquanto isso não ocorre, você pode se manter informado a respeito das novidades da banda através de seus perfis nas redes sociais.

Insanidade:

Lucas Tamandaré – Vocal

Luís Maldonalle – Guitarra

Gustavo Vázquez – Baixo

Ingrid Bahia– Bateria

Mais informações:

Instagram: https://www.instagram.com/insanidade_official/?igshid=dolkl0ui49nb

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCaR-5faHcKZbut5WU6HCltA/featured

Spotify: https://open.spotify.com/artist/4UzURV2SiT72D2UFiH8Kpl

Roadie Metal

O próximo álbum de estúdio da Facing Fear, “Marginal Metal”, será lançado apenas em 2022, mas as novidades a respeito de sua produção são tão empolgantes que não podem ficar guardadas!

Já é sabido que o disco trará uma série de participações especiais, sendo que, recentemente, foi revelado que o vocalista Oskar Jacobsson, da banda sueca Ambush, seria uma delas, emprestando a sua voz para a música “Likers and Lovers”. Agora, foi anunciado que o guitarrista Rod Wolf, da Lyria, também estará presente na mesma faixa.

A Lyria é uma banda de Symphonic Metal do Rio de Janeiro, criada em 2012 e que já possui dois álbuns em sua discografia, “Catharsis”, de 2014, e “Immersion”, de 2018. O Facing Fear fez parte do cast do festival Lyria Fest, em 2019, e daí surgiu a amizade que gerou o convite para essa parceria.

Enquanto aguarda por mais informações sobre “Marginal Metal”, confira todos os lançamentos da Facing Fear, disponíveis no Spotify, pelo link abaixo:

Acompanhe as novidades do Facing Fear por suas redes sociais

Facing Fear:

Terry Painkiller: vocal

Raphael Dantas: guitarra

John Killesh: guitarra

Vall Maranhão: bateria

Mais informações:

Facebook: https://www.facebook.com/Facingfearhmb

Instagram: https://www.instagram.com/facingfearbr

Twitter: https://twitter.com/FacingFearHM

Spotify: http://sptfy.com/anajansen

YouTube: https://bit.ly/2PEoakZ

Roadie Metal

Drenna: traz elementos do pop punk e eletrônicos em A Casa

Publicado: 30/11/2021 por Pedro Mello em News
Tags:,

A Casa é a nova música da Drenna, um consistente power trio carioca à beira de celebrar 10 anos de carreira. O nome que batiza a composição é sugestivo ao momento: mostra uma banda confortável em fazer rock e, ao mesmo tempo, ousando a partir do próprio background para trazer elementos do pop punk e eletrônicos à sonoridade – sempre enérgica e empolgante.

Via selo Toca Discos e com distribuição digital da Altafonte, A Casa já está no streaming: https://links.altafonte.com/50x77bb.

A Casa flerta com o new rock de superstars da atualidade, como Machine Gun Kelly e Maneskin, isto é, junta a vibração da distorção com o balanço de elementos eletrônicos. No campo da música nacional, a Drenna quer ressignificar rótulos e bandeiras, assim como fez Far From Alaska, Supercombo e Francisco El Hombre.

O sentimento de contemporâneo também se dá por meio da produção desta nova faixa da Drenna. Na Toca do Bandido, no Rio de Janeiro, com a expertise de Felipe Rodarte, a produção é cristalina e detalhista, um cuidado que coloca A Casa com uma sonoridade impactante.

Este é o segundo lançamento da Drenna em 2021, que no último mês de agosto soltou a potente e roqueira ‘Sabotagem’ (do disco de estreia Desconectar, 2016) em formato single e videoclipe.

Além do contraponto entre as faixas, Sabotagem como um rock rasgado e de pegada mais tradicional, e A Casa, um rock que dialoga com outros gêneros e mundos, a roupagem mais atual escancara o trio – formado por Drenna Rodrigues (vocalista e guitarrista), Bruno Moraes (baixista) e Milton Rock (baterista) – em evolução, uma constante da carreira, sempre em busca de mais espaços e chegar a mais públicos.

“Nossa intenção é fazer algo de novo, tendo o rock como base, mas abrindo o leque de possibilidades, inclusive experimentar sonoridades e elementos trazidos de nossas pesquisas musicais”, ressalta a banda.

Novas tecnologias
A Casa, como uma composição, nasceu literalmente dentro da casa da banda. O trio, nos últimos anos, começou a aprender e testar, mesmo que de forma caseira, técnicas de produção, e este Do It Yourself tecnológico fez a diferença.

“Agora começamos a trabalhar as músicas no computador, como aconteceu com as primeiras ideias de A Casa. A pré-produção começou já no digital, foi assim que apresentamos para o Rodarte. É uma forma bacana e mais profissional de entender como a música vai de desenvolvendo”, destacam.

Esta dinâmica, como destaca o produtor Felipe Rodarte, diz muito sobre o que representa A Casa. “Uma música com mais estereótipo de estúdio, diferente da sonoridade do trio tocando ao vivo. É por causa desta pré-produção no digital”.

A letra
A Casa tem sentido figurado. É sobre um lugar dentro do indivíduo, isto é, o corpo humano, que assim como um espaço físico, precisa de ordenação e pequenos – ou grandes – manutenções diárias.

Drenna nas redes

www.facebook.com/bandadrenna

www.instagram.com/bandadrenna

twitter.com/drenna_rock

Tedesco Mídia

O Sepultura se prepara para fazer o retorno aos palcos depois de mais de dois anos longe do público. Esse momento se torna ainda mais especial por se tratar do show de lançamento do álbum Quadra, que a banda foi impedida de fazer turnê por conta da pandemia do novo coronavírus. A apresentação está marcada para o dia 12 de fevereiro, no Circo Voador, no Rio de Janeiro. Os ingressos já estão à venda no site da Eventim (acesse aqui). O special guest da noite é a banda carioca Dorsal Atlântica, que acaba de lançar o álbum Pandemia (2021).

O Sepultura havia acabado de lançar Quadra, seu 15º álbum de estúdio, quando a crise sanitária forçou público e músicos a ficarem distantes. “Estamos ansiosos para retornar e encontrar com os fãs”, comenta Andreas Kisser, que compõe a banda junto de Paulo Xisto Jr. (baixo), Derrick Green (vocal) e Eloy Casagrande (bateria).

Para esse novo momento, além de faixas do Quadra, como “Ali”, “Guardians of Earth” e “Fear; Pain; Chaos; Suffering”, o Sepultura reserva surpresas para quem estiver na plateia. “Vamos tocar também músicas mais antigas que fazem parte da nossa carreira”, comenta Andreas Kisser. Na ocasião, o quarteto se encontra com a Dorsal Atlântica, uma das primeiras bandas de heavy metal nacional, que será responsável pela abertura da noite. O grupo carioca leva ao palco o lançamento de seu mais recente disco, Pandemia.

Serviço:

Sepultura – Quadra Tour Brasil @ Circo Voador

Data: 12 de fevereiro de 2022 (sábado)

Abertura da casa: 20h

Show Dorsal Atlântica: 21h

Show Sepultura: 23h

Local: Circo Voador (Rua dos Arcos, s/n – Jardim Iracema, Rio de Janeiro – RJ)

Vendas on-line:

http://eventim.com.br/event/sepultura-dorsal-atlantica-circo-voador-14523727/

Ingressos Promocionais (mediante doação de um quilo de alimento não perecível na entrada da casa no dia do evento):

R$100,00 – Lote 1 

R$120,00 – Lote 2

R$130,00 – Lote 3

Classificação 18 anos

Realização OnStage Agência

Ana Paula Romeiro

Os paulistas do INFESTATIO já iniciaram a organização de sua agenda de shows para 2022 visando trabalhar na divulgação da sua nova formação bem como de seus vindouros trabalhos.

O grupo informa que produtores interessados em mais informações sobre como leva-los até sua cidade/evento é muito fácil, basta entrar em contato pelo e-mail infestatio@hotmail.com ou pelo WhatsApp/Telegram em (46) 98838-7204 e solicita-las.

Encontre o atual trabalho do INFESTATIO, intitulado “Never Fall Back”, em TODAS as principais plataformas de streaming e download do mundo com apenas um clique: https://li.sten.to/NeverFallBack

Assista ao videoclipe aqui:

Contato para assessoria de imprensa: www.sanguefrioproducoes.com/contato

Sites relacionados:
https://facebook.com/infestatio
https://www.instagram.com/infestatio_official
https://www.youtube.com/user/infestatiometal
http://www.infestatio.com/
https://sanguefrioproducoes.com/artistas/INFESTATIO/74


Fonte: Sangue Frio Produções