Posts com Tag ‘Extreme Hate Festival’

Gutted - Extreme.jpg

Um dos maiores festivais de música extrema do país está cada dia mais próximo de sua realização. A sexta edição do “Extreme Hate Festival” será realizada dia 09 de dezembro na cidade deSão Paulo com inúmeras atrações de peso do Death Metal mundial e nacional.

Para 2018 a organização do festival está trazendo os veteranos do Unleashesd da Suécia como atração principal, além deles, os holandeses do Carach Andren e os americanos da Abysmal Dawn e Master, estão confirmados como as atrações internacionais.

Representando o Brasil, o Gutted Souls com seu Brutal Death Metal, prepara um show insano e focado no álbum “The Illusion of Freedom”. Outra veterana do Death Metal, oNervochaos com sua história riquíssima pelo mundo, estará apresentando ao público as músicas que os credenciam como um dos maiores nomes do estilo no brasil.

O evento será realizado no “Carioca Clube Pinheiros” a partir das 14h00 em pleno domingo. Os ingressos estão variando entre R$150,00 a R$400,00. “Extreme Hate Festival” é uma noite certeira para ficar na memoria de todo e qualquer fã da música pesada, corra e garanta já seu ingresso.

Serviço:

Evento: Extreme Hate Festival 6º Edição

Atrações: Unleashed – Carach Angren – Abysmal Dawn – Master – Nervochaos – Gutted Souls

Data: 09/12/18

Local: Carioca Club Pinheiros

Endereço: R: Cardeal Arcoverde, 2899, Pinheiros, São Paulo/SP

Horário: 14h00

Custo: R$150,00 – R$400,00

Mais informações: https://www.facebook.com/events/118837772288477/

Fonte: Roadie Metal

securedownload

A 4ª edição do EHF já contabiliza público recorde em relação às anteriores. Ingressos no final.

Já vimos anunciando ao longo das notas que primeiro show terá início, pontualmente, às 15h (quinze horas), sendo que oTROPICAL CLUB, casa a qual abrigará o festival, já estará pronta aos headbangers uma hora antes, isto é, às 14h (catorze horas).

Acompanhe nas próximas linhas os detalhes do cronograma oficial:

14h – Abertura da Casa

15h às 15h40 – show do Chaos Synopsis

16h10 às 17:20 – show do Cryptopsy

17h40 às 18h50 – show do Suffocation

19h30 às 20h40 – show do Belphegor

21h10 às 22h20 – show do Watain

 

Tudo pronto para que, no próximo dia 7 de dezembro, a capital paulista receba o cast que irá protagonizar a 4ª edição do EXTREME HATE FESTIVAL, isto é, WATAIN, SUFFOCATION, BELPHEGOR, CRYPTOPSY e CHAOS SYPNOSIS.

Últimos ingressos continuam à venda pela internet, exclusivamente através do site da produtora Dark Dimensions,www.ingressosparashows.com.br, e nos pontos físicos, localizados nas lojas Hellion* e Lady Snake*, ambas na Galeria do Rock.

*pagamentos apenas em dinheiro.

 

Serviço
Data: 7 de dezembro de 2014
Local: Tropical Club
Endereço: Rua Butantã, 336, no bairro de Pinheiros em São Paulo capital. Como referência, a estação de metrô Faria Lima (Linha 4-Amarela)
Horário: 14h (abertura da casa); 15h (primeira banda no palco)
Classificação etária: 16 anos

Ingressos:
R$ 110,00 – Pista meia entrada e promocional (1º lote);
R$ 150,00 – Camarote (1º lote)

Vendas online: www.ingressosparashows.com.br

Pontos de Venda:
Galeria do Rock
Lojas Hellion – 1º andar (11) 3223.8855
Lady Snake – 1º andar (11) 3361.7705

Informações:
(11) 4115.4773
darkdimensionsbrazil@gmail.com

Fonte: Durval Campos

image007

A DARK DIMENSIONS, produtora responsável pelo EHF, conversa diariamente com os responsáveis por cada um das bandas anunciadas e todos garantem espetáculos! A resposta é praticamente a mesma quando indagados: “os brasileiros merecem nada menos que 110% de nós!”

Eles estão certíssimos. A paixão de nosso público é lendária, sendo que nenhum artista que por aqui passa reclama da receptividade geral. Pela vendagem dos ingressos e empolgação dos headbangers certamente será novamente uma grande festa. Por falar em vendas, elas ainda estão acontecendo pela internet, exclusivamente através do site da produtora Dark Dimensions,http://www.ingressosparashows.com.br. Interessados em adquirir pessoalmente, basta ir a um dos pontos físicos, isto é, às lojasHellion* e Lady Snake*, ambas na Galeria do Rock.

*pagamentos apenas em dinheiro.

 


Serviço
Data: 7 de dezembro de 2014
Local: Tropical Club
Endereço: Rua Butantã, 336, no bairro de Pinheiros em São Paulo capital. Como referência, a estação de metrô Faria Lima (Linha 4-Amarela)
Horário: 14h (abertura da casa); 15h (primeira banda no palco)
Classificação etária: 16 anos

 

Ingressos:
R$ 110,00 – Pista meia entrada e promocional (1º lote);
R$ 150,00 – Camarote (1º lote)

Vendas online: www.ingressosparashows.com.br

Pontos de Venda:
Galeria do Rock
Lojas Hellion – 1º andar (11) 3223.8855
Lady Snake – 1º andar (11) 3361.7705

Informações:
(11) 4115.4773
darkdimensionsbrazil@gmail.com

 

 Fonte: Durval Campos

Belphegor_Helmuth

 Helmuth Lehner

A poucos dias de realizarem shows no Brasil, os austríacos do Belphegor separaram um tempinho para conversar com a equipe do RioMetal e falar sobre problemas de saúde, o último álbum “Conjuring The Dead”, o aniversário de 20 anos da banda e muito mais.

Confira a mais esta exclusiva do RioMetal:

Acredito que a primeira pergunta é inevitável. Como está a saúde de Helmuth Lehner? Como este problema ocorreu?

Helmuth: Ave, Pedro. Obrigado por perguntar pela minha saúde. Eu tomei a péssima decisão de beber água de um hotel na América Latina há poucos anos atrás e acabei com Tifo.

Eu estou bem agora. Estou contente por estar apto a tocar guitarra e ficar à frente da minha banda novamente. Me sinto ótimo e estou agradecido por isto. Levei quase 8 meses para voltar e ser capaz de tocar novamente. Os primeiros meses após a operação foram difíceis. Eu sempre fui muito ativo minha vida toda, treinava, fazia tudo que era proibido – várias memórias de excessos gravadas na minha cabeça que poderiam encher livros. O pior foi que eu não podia tocar, eu nunca fiquei tanto tempo sem tocar guitarra. Aquilo foi frustrante e novo pra mim e meu corpo me mostrou muitas fronteiras. Eu odiei ter que ficar calmo mas eu logo percebi que eu não poderia vencer uma corrida com 3 malditas rodas, então sim, eu tive que esperar e o tempo passou vagarosamente. Erguer-se para cair e cair para erguer-se, como diz uma das faixas do álbum BLOOD MAGICK NECROMANCE (2011).  O importante é, BELPHEGOR está de volta, ainda consistente e rodando o mundo inteiro como um tanque de guerra mundial.

É ótimo saber que já está bem novamente. A poucos meses de visitar a América do Sul novamente, pensam em tomar algum tipo de precaução especial?

Helmuth: Eu não beberei água de torneira novamente, isto é certo. Atualmente, eu sempre serei mais cuidadoso em minhas viagens…

Humanos são cheios de merda, nós envenenamos a raça, destruímos a Terra, a água, o clima, a natureza, quase tudo em nome da ganância e poder… é por isso que eu escrevi uma música com este conteúdo, na letra de GASMASK TERROR. É uma vergonha… nós deveríamos ser uma espécie superior, cuidadores do planeta, não destruidores.

BELPHEGOR_CONJURING_THE_DEAD_COVER

Conjuring The Dead, último lançamento do Belphegor

Como tem sido a receptividade do álbum ‘Conjuring The Dead’?

Helmuth: O retorno é incrível, cara. Foi uma jornada difícil, montes de contratempos que me forçaram a atrasar de novo e de novo, demorou mais de 3 anos até CONJURING THE DEAD ser lançado. No início foi meio frustrante. Eu pensei: Eu nunca consigo terminar esse disco filho da puta, e então um monte de ódio e agressão estavam em mim e eu canalizei tudo aquilo pra dentro de novas músicas. Eu estou muito orgulhoso deste lançamento, ele é muito especial pra mim, nosso álbum mais maduro até agora e um dos mais fortes. Nós gravamos na Florida com Erik Rutan. Ele nos impulsionou a sermos os melhores que poderíamos e esta foi uma excelente decisão por escolhe-lo para ser o produtor deste LP brutal.

O álbum traz faixas rápidas e outras mais cadenciadas, mas sem perder a agressividade e peso. A adversidade pela qual Helmuth passou, influenciou as composições?

Helmuth: As questões da minha saúde e recuperação afetaram tudo em relação ao novo álbum, o processo de composição, a banda, minha vida. Existiram muitos atrasos e contratempos assim como eu tive que me submeter as minhas novas limitações. Eu nunca trabalhei tão duro em outro lançamento. Eu sempre tive no fundo da mente, e temi depois da minha doença com risco de vida, que este poderia ser o último ábum do BELPHEGOR.

Então eu não queria fuder com tudo, eu queria fazer as coisas absolutamente certas. Eu procurei ter uma abordagem mais Death Metal neste LP, mais irritado, mais cru e é claro brutal. Foi tempo de retornar às nossas raízes mas com o aprimoramento musical que nós temos em 2014. Também, um bocado de NWOBHM, que eu ainda adoro, flui no novo “slasher”.

Aqui vão umas pistas abaixo, nós tentamos novos elementos e experimentamos por dentro do nosso estilo, que é importante para a evolução da banda, sem trair nossas raízes.

CONJURING THE DEAD fala por si mesmo. Um som forjado no inferno!

IN DEATH é sobre meu retorno aos palcos e à frente da minha banda novamente, minha experiência de dançar com a morte. É uma música de avanço rápido de Thrash/Death Metal com muita influência de NWOBHM.

THE EYES  é um intervalo, ela acalma após os primeiros cinco sons de  colagens brutais. Eu toquei a guitarra acústica clássica e durante isso você escuta a guitarra principal gritando. Poderia ser quase também um pedaço de música da engenhosa New Wave Of British Heavy Metal. 

Após THE EYES, nós começamos com este monstro técnico do Death entitulado LEGIONS OF DESTRUCTION.

Para o exaltado REX TREMENDAE MAJESTATIS nós adicionamos um monte de sonoridade clássica na guitarra. O título foi retirado da última composição de WOLFGANG AMADEUS MOZART, REQUIEM. Ele escreveu em seu leito de morte. Ele sabia que morreria cedo. A música tem influências desta composição quando se trata da intensidade da atmosfera. Eu tenho que ser cuidadoso com este tipo de declaração, eu não sou um compositor como MOZART, ele era um gênio. Mas esta música é exatamente o que eu senti, quais eram meus objetivos, como eu comecei a criar REX TREMENDAE MAJESTATIS e quando eu escuto REQUIEM.

Em FLESH, BONES AND BLOOD nós também tocamos em um novo terreno. A faixa vem com um sentimento industrial e guitarras com uma pegada Death Metal, com um atmosfera ritual no refrão.

A introdução de PACTUM IN AETERNUM, toda tocada com  instrumentos naturais, quase feitos pela própria natureza, com um monte de partes que são tocadas com ossos reais (humanos e animais…), ameaçadoras e escuras! Elas foram criadas por KRAMATACH, uma banda arcaica de caverna da Áustria.

Enquanto os massacres de alta velocidade como BLACK WINGED TORMENT e GASMASK TERROR são faixas típicas do BELPHEGOR, BLACK WINGED TORMENT é, juntamente com nossa amada LUCIFER INCESTUS a música mais rápida que nós já escrevemos. BLACK WINGED TORMENT será apresentada durante a próxima turnê na América Latina.

Quais outros fatores ou elementos influenciaram as letras de ‘Conjuring The Dead’?

Helmuth: Ele também tem a ver com a declínio de toda humanidade. Um monte de merda está acontecendo perigosamente no planeta neste momento… o tempo está correndo. E no topo disto, como sempre, nós enaltecemos a blasfêmia. Anti-deus – anti-vida, os versos são o caminho mais sério desta vez, assim como o projeto todo é, devo dizer. Eu não quero descrever qualquer coisa demais para evitar concepções erradas. Eu encorajo as pessoas com o CD a ler as letras e formar suas próprias interpretações.

Belphegor_Conjuring-the-Dead_001b

Helmuth e Serpenth

Em 2015, o primeiro álbum do Belphegor, ‘The Last Supper’, fará 20 anos. Pensam em fazer algo para celebrar esta marca?

Helmuth: É surreal que nós duramos tanto, nunca nos separamos ou mudamos nossa atitude… o legado – a música brutal, você sabe. Nós celebramos o álbum criando ainda músicas extremas e praticando nossos rituais ao vivo ao redor do mundo, para glorificar a magia em nome do Metal.

A capa de ‘Conjuring The Dead’ foi novamente feita pelo artista Seth. Como foi o processo de criação da arte?

Helmuth: Eu curto o estilo artístico dele e trabalhar com ele. Ele também fez a arte de PESTAPOKALYPSE (2006). Eu estou puta orgulhoso das novas impressões. Seth fez um trabalho marcante e trouxe idéias incríveis para o projeto. Nós trabalhamos por meses em detalhes pequenos, complexos. O time era sensacional. Eu ainda fico deslumbrado quando eu olho o pôster com a arte da capa, com todos aqueles símbolos que tem tantos significados.

Foi uma honra falar com vocês. O que os fãs brasileiros podem esperar dos shows que serão realizados no Brasil?

Helmuth: Obrigado pelo espaço. Eu prefiro chamar as pessoas que nos apoiam simplesmente de “Soldados da morte”, “Maniakks”, e “Demônios”. Eu não aprecio a palavra “fã”, de verdade.

Veja as datas abaixo:

05.12.2014 BR Natal Armazém Hall
06.12.2014 BR Rio de Janeiro Espaco Acustica
07.12.2014 BR São Paulo Extreme Hate Festival
       

As legiões do Brasil podem esperar uma intensa performance no palco e puta música brutal até os ossos. Junte-se aos rituais em Dezembro e vá ao inferno conosco…

 

Belphegor_Helmuth

 Helmuth Lehner

I believe that firts question is inevitable. How is the health of Helmuth Lehner? How this problem occurred?

Helmuth: Ave, Pedro. Thanks asking about my health. I had made a poor decision to drink the water from a hotel in Latin America a few years ago and ended up with Typhus. 

I’m doing good now. I’m pleased that I am allowed to play guitar, front my band again. It feels just great, and I am thankful for it. It took me almost 8 months to come back and be able to perform again. First months after the operation were tough. I was always very active my whole life, trained, did everything that was forbidden – many excessive memories stuck in my head where I could fill books. Worst was, I couldn’t play music, I never had such a long break from playing guitar. That was frustrating and new to me that my body showed me so many borders. I hated it to calm down, but I soon realized I can’t win races with only 3 damn wheels, so yeah I had to wait and time went by slowly. RISE TO FALL AND FALL TO RISE, as one of our tracks from the album BLOOD MAGICK NECROMANCE (2011) says. The important thing is, BELPHEGOR is back, still consistent and rolling in worldwide like a world war tank.

It’s great to know that he’s fine again. Few months after visit South America again, you guys think in to take some kind of special precautions?

Helmuth: I will not drink water from the sinks again, that’s certain. Nowadays, I will always be more careful in my travels…

Humans are full of shit, we poison the race, destroy the earth the water the nature, almost everything in the name of greed and power…that’s why I wrote the song with this lyrical content for GASMASK TERROR.  It’s a shame…we should be the superior species, caretakers of the planet, not destroyers. 

BELPHEGOR_CONJURING_THE_DEAD_COVER

Conjuring The Dead, Belphegor’s last album.

How has been the receptivity of “Conjuring The Dead”?

Helmuth: Feedback is amazing, man. It was a tough ride, lots of setbacks forced me delay again and again, it lasted over 3 years til CONJURING THE DEAD been unleashed. At beginning it was kinda frustrating. I thought, I never can finish this motherfukking record, then a lot of hate and aggression was in me and I channeled all that into the new songs. I’m very proud of this release, it is a very special one to me, our most mature album to date and one of our strongest. We recorded in Florida with Erik Rutan  He pushed us to be the best we could and it was a great decision to choose him to be the producer of this brutal Lp.

The album gives us some fast tracks and others more rhythmic, but without losing aggressiveness and force. Did Helmuth’s adversity influenced the compositions?

Helmuth: My health issues and recovery affected everything regarding the new album, the writing process, the band, my life. There were many delays and setbacks as I had to submit to my new limitations. I never worked so hard on another release. I always had in the back of my mind, and feared after my life-threatening illness, it could be the last BELPHEGOR album. So I didn’t want to fukk around, I wanted do things absolutely right.

I wanted to have a more Death Metal approach on this Lp, more edgy, raw and  of course brutal. It was time to return to our roots but with musical ability what we have 2014. Also a lot of NWOBHM, which I still adore, flows in the new slasher.

Here’s a kinda track break down, we tried new elements and experimented within our style, which is important for the band´s evolution, without betraying our roots.

CONJURING THE DEAD speaks for itself. A sound wall forged in hell!

IN DEATH is about my return on stage and front my band again, my experience with dancing with the dead. It’s a fast forward Thrash/ Death Metal track with a lot of NWOBHM influences.

THE EYES is an intermezzo, it calms everything down after the first five brutal sound collages. I played the classic acoustic guitar and over that, you hear a lead guitar screaming. Could be almost also a piece of musick from the ingenious New Wave Of British Heavy Metal. 

After THE EYES, we start with this technical Death monster entitled LEGIONS OF DESTRUCTION.

For the exalted REX TREMENDAE MAJESTATIS we added a lot classical tones in the guitar department. The title is taken from WOLFGANG AMADEUS MOZART’s last composition, REQUIEM. He wrote it in his deathbed. He knew he would die soon. The song has influences by this composition when it comes to the intensity of the atmosphere. I have to be careful with such statements I’m not a composer like MOZART, he was a genius. But this track is exactly what I felt, which my aim was, as I started creating REX TREMENDAE MAJESTATIS and when I listen to REQUIEM.

On FLESH, BONES AND BLOOD we also touched a new territory. The track comes with an industrial feeling and Slam Death Metal guitars, with an ritual atmosphere in the chorus.

The outro/ epilogue of PACTUM IN AETERNUM, all played with nature instruments, most self made, a lot of parts there are played with real bones ( humans and animals…), menacing and dark! They were created by KRAMATACH, an archaic cave band from Austria.

While high speed massacres like BLACK WINGED TORMENT and GASMASK TERROR are typical BELPHEGOR tracks, BLACK WINGED TORMENT is with our beloved LUCIFER INCESTUS our fastest song we ever wrote. BLACK WINGED TORMENT will get premiered during the upcoming Latin America tour.

Which other factors or elements had influenced the lyrics of “Conjuring The Dead”?

Helmuth: It also has to do with the downfall of all humanity. A lot of dangerous shit is happening on the planet right now…time is running out. On top, as always, we praise blasphemy. Anti-god – anti-life, the verses are way more serious this time, also the whole project is, I should say.

I don’t want to describe anything too much to avoid misconceptions. I encourage people with the CD to read the lyrics and form their own interpretations, as well.

Belphegor_Conjuring-the-Dead_001b

Helmuth And Serpenth.

In 2015, Belphegor’s first album “The Last Supper” will make 20 years. Do you guys think about doing something to celebrate this mark?

Helmuth: It’s unreal that we latested that long, never split up nor changed our attitude…the legacy – the brutal Musick, you know. We celebrate the album by still creating extreme musick and practicing our live rituals all around the world, to glorify magick in the name of Metal.

The cover of “Conjuring The Dead” was made again by the artist Seth. How was the art creation process?

Helmuth: I enjoy his art style and working with him. He also did the art for PESTAPOKALYPSE (2006). I’m damn proud of the new impressions. Seth did an outstanding job and brought amazing ideas to the project. We worked for months on small, intricate details. The teamwork was great. I’m still blown away when I look at the poster with the cover artwork, with all these symbols that have so many meanings.

It was an honor to talk to you, guys. What can brazilian fans expect from the shows that will be performed in Brazil?

Helmuth: Thank you for the space. I prefer to call the people who support us simply “Death-soldiers”, “Maniakks”, and “Demons. I’m not fond of the word “fan”, really.

See the dates below:

05.12.2014 BR Natal Armazém Hall
06.12.2014 BR Rio de Janeiro Espaco Acustica
07.12.2014 BR São Paulo Extreme Hate Festival
       

Legions from Brazil can expect an intense stage performance and skullfukking brutal Musick. Join the rituals in December and go to hell with us..

A 4ª edição do Extreme Hate Festival acontecerá no próximo dia 7 de dezembro na capital paulista. 

As vendas de ingressos estão sendo feitas pela internet, através do site da produtora Dark Dimensions, http://www.ingressosparashows.com.br, ou nas lojas Hellion e Lady Snake, ambas na Galeria do Rock, mas nestas duas apenas em dinheiro.

Atenção! O primeiro show terá início, pontualmente, às 15h (quinze horas), sendo que a casa já estará pronta aos headbangers uma hora antes, isto é, às 14h (catorze horas).

cartaz Serviço Data: 7 de dezembro de 2014 Local: Tropical Club Endereço: Rua Butantã, 336, no bairro de Pinheiros em São Paulo capital. Como referência, a estação de metrô Faria Lima (Linha 4-Amarela) Horário: 14h (abertura da casa); 15h (primeira banda no palco) Classificação etária: 16 anos

Ingressos: R$ 110,00 – Pista meia entrada e promocional (1º lote); R$ 150,00 – Camarote (1º lote)

Vendas online: www.ingressosparashows.com.br Pontos de Venda: Galeria do Rock Lojas Hellion – 1º andar (11) 3223.8855 Lady Snake – 1º andar (11) 3361.7705 Informações: (11) 4115.4773 darkdimensionsbrazil@gmail.com

 

 

E a jornada continua…

Além de São Paulo, outras cidades irão receber os artistas do Extreme Hate Festival. Curitiba, por exemplo, terá seu próprio festival um dia antes, 6 de dezembro, no Music Hall, a partir das 18h. Veja:

image002

 

Venda online: http://bit.ly/1sMIkDW

Pontos de venda física: http://bit.ly/1v9jvbN

 

A cidade maravilhosa não poderia ficar de fora, lógico. À exceção do Watain, que não dispunha de datas suficientes para prolongar sua estadia no país, as demais bandas farão a alegria dos cariocas. Os detalhes estão nos cartazes a seguir:

 image003

Venda online Belphegor [06 de dezembro]: http://bit.ly/1pZdWdW

Venda online Suffocation e Cryptopsy [09 de dezembro]: http://bit.ly/1xodGYb

Fonte: Durval Campos

image018

Uma das grandes atrações do EXTREME HATE FESTIVAL no próximo dia 7 de dezembro, em São Paulo, a banda BELPHEGORaproveitará a nova visita para tocar em outros municípios pelo país. A DARK DIMENSIONS, produtora responsável pelo supracitado evento, firmou algumas parcerias e ajudará Hel “Helmuth” Lehner e seus asseclas a formatarem este antigo sonho dos austríacos.

Batizada por “Conjuring the Dead World Tour”, a iniciativa promove – como o nome entrega – “Conjuring the Dead”, álbum lançado em agosto último pela Nuclear Blast Records, décima obra em sua ótima discografia. Bastante elogiado pela imprensa especializada e fãs em todo o planeta, “Conjuring the Dead”, contou com as irretocáveis mãos de Erik Rutan (ex-Morbid Angel, Hate Eternal, Alias, Ripping Corpse, etc.), tendo sido registrado no Mana Recording Studios nos EUA. A capa fora assinada pelo renomado Seth Siro Anton (baixista do Septic Flesh), o qual já trabalhou em artes de bandas como Decapitated, Devian, Vader, Paradise Lost, Soilwork, Caliban, Heaven Shall Burn, Kamelot, Flowing Tears, Moonspell, Old Man’s Child e muitas outras.

Fonte: Durval “Durr” Campos