Posts com Tag ‘Duff Mckagan’s Loaded’

Os fãs do Guns N Roses anseiam por uma volta da formação clássica da banda desde muito tempo, o sonho de ver Slash, Izzy ou Steven Adler, Axl e Duff em um mesmo palco, chegou perto para muitos esta semana.

Nos dias 16 e 17 de de Dezembro em Seattle e em Vancouver, o ex-baixista do Guns N Roses, Duff McKagan, dividiu o palco com o vocalista Axl Roses na mais recente encarnação da banda.

McKagan, cujo grupo Loaded abriu o show para sua antiga banda nestas duas noites se uniu a Axl depois de 17 anos para executar uma música, “You Could Be Mine”.

Fonte: Noisecreep.com

A banda Duff McKagan’s Loaded liderada pelo baixista Duff Mckagan (Velvet Revolver / ex-Guns N ‘Roses) tocou em sete shows esgotados na Alemanha no final de Novembro como banda de abertura para o Motörhead.

Imagens de um vídeo de McKagan tocando o clássico “Killed By Death” junto com o Motörhead pode ser assistido em: http://www.youtube.com/embed/LOgx1gTcfYw

Fonte: Blabbermouth.net

Após a longa jornada de ida e volta a Paulínia – SP vou contar para vocês como foi o último dia do SWU 2011. Saímos do Rio por volta de 2h e depois de cerca de 8 horas de viagem chegamos a Paulínia, numa manhã chuvosa.

Depois de uma visita ao shopping center da cidade, onde aproveitamos para almoçar, saímos em direção ao evento, que ocorria perto dali. Abaixo, vou comentar sobre a estrutura do evento e sobre os shows que assisti, que, infelizmente, não foram todos.

Entrada: Logo na entrada via-se separação entre as filas para mulheres e homens, além de uma entrada diferenciada para a área vip do evento. O número de filas destinadas as mulheres era muito inferior ao de homens, o que causou certo transtorno na entrada. A fiscalização e revista deixaram passar muitas das coisas ditas proibidas no site do evento. Como exemplo, camisas de times de futebol, garrafas e até latas.

Segurança: Aqui, infelizmente, tivemos os mesmos problemas do Rock In Rio. Muitos furtos de celulares, bolsas sendo rasgadas, etc. Assim como no Rock In Rio, no dia do rock mais pesado a quantidade de furtos diminuiu, mas não deixou de existir. Uma pena.

Estrutura: Se não fosse a chuva estragar teria sido espetacular. O SWU tinha 2 palcos principais, um palco alternativo e tenda eletrônica para as atrações musicais. Além disso, havia locais oferecendo massagens, vídeo game e até Jam sessions para a galera! O evento também contava com uma arquibancada grande e coberta de onde podia-se ver os shows dos dois palcos principais.

A área de alimentação tinha várias opções de comida e contava com um espaço com cadeiras e mesas. Os ambulantes, porém, fizeram feio no evento. Mesmo com os preços padronizados de cerveja, refri e água estampados nas camisas, os mesmos estavam vendendo bebida ao público perto dos palcos a preços abusivos. Uma falha grande de organização a meu ver.

Os banheiros, químicos, estavam em muito bom estado. Havia cestos de lixo para coleta seletiva, mas, o público não ajudou muito e mesmo com um número grande de garis, se viu um mar de lixo no evento. Como disse antes, a chuva castigou e o gramado todo virou lama. Nem as áreas dos palcos, que era asfaltada, se livrou da sujeira.

Os palcos eram um espetáculo a parte. Os dois principais (Energia e Consciência) eram bem grandes e contavam com dois telões cada um em sua estrutura. O som também estava impecável e as bandas puderam ser muito bem ouvidas por quem estava perto do palco assim como por quem estava na arquibancada.

Shows: Vamos aos shows. Não vou comentar todos, apenas os que assisti. Mas já adianto que foram incríveis! Vale também deixar um elogio quanto a organização e pontualidade, todas as bandas entraram no palco no horário previsto, mostrando que a idéia de dois palcos principais funciona muito bem para esse tipo de evento. Parabéns aos organizadores.

Duff McKagan’s Loaded: Por conta da longa fila de mulheres, entrei no evento um pouco tarde e perdi a apresentação dos Raimundos. Cheguei ao palco Energia bem no começo do show do Loaded e tive um grata surpresa! Confesso que não esperava muito da banda, até porque não sou grande fã de Guns’n’Roses, mas Duff – guitarra/voz e sua banda formada por Mike Squires –guitarra, Jeff Rouse – baixo e Isaac Carpenter – bateria fizeram um grande show! Em 1h, tocaram seus hits e ainda entoaram canções do GNR como Attitude. Valeu à pena!

Down: ao fim do show do Loaded, preferi ficar no palco energia para conferir o Down do lendário vocalista Phil Anselmo (Pantera) enquanto o Black Rebel Motorcycle Club tocava no palco Consciência. A banda, formada por Phil Anselmo – voz, Jimmy Bower – bateria, Pepper Keenan – guitarra, Kirk Windstein – guitarra e Pat Bruders – baixo mostrou todo seu peso no palco! O ponto alto do show foi quando Anselmo “perguntou” ao público o que queria ouvir e recebeu um coro pedindo algum som do Pantera. Depois de se emocionar com um fã, que tinha o logo do Pantera tatuado no peito, Phil puxou um pedacinho de Walk, clássico da sua extinta banda para agradar a galera, que foi a loucura! Vale também comentar a espetacular performance dos caras, tocando muito bem. A surpresa ficou por conta da entrada dos membros do Loaded para tocar a última música com a banda. Um dos melhores shows desse último dia de evento!

Megadeth: Depois das apresentações do 311, Sonic Youth e Primus eis que surge no palco Energia uma das bandas mais esperadas na noite: Megadeth! Depois da boataria de que Dave Mustaine cancelaria os shows na América Latina, por conta de uma cirurgia no pescoço a banda formada por ele – Voz/Guitarra, David Ellefson – Baixo, Chris Broderick – Guitarra e Shawn Drover – Bateria mostrou o real significado da palavra peso! Com um repertório mesclando sons mais novos com todos os grandes clássicos da carreira, o Megadeth não deixou ninguém respirar nem ficar parado com um setlist que beirou a perfeição! A surpresa ficou por conta da interação de Mustaine com a galera, já que sabemos que ele não é o tipo de cara que fala muito. Visivelmente emocionado, o vocalista e guitarrista agradeceu muito aos fãs e retribuiu com um Heavy Metal da melhor qualidade. A única reclamação que cabe é: foi pouco!

Stone Temple Pilots: Já no palco Consciência, depois da porrada que foi o show do Megadeth, fomos agraciados por uma apresentação impecável do STP, uma das principais atrações dessa edição do festival. Não sou grande fã da banda, nem conheço profundamente o repertório, mas não tinha como não curtir o show deles! A banda formada por Scott Weiland – voz, Dean DeLeo – guitarra, Robert DeLeo – baixo e Eric Kretz – bateria mostrou muita competência, justificando os milhares de fãs que tem por aqui. O destaque vai para o vocalista Scott Weiland que tem um carisma e uma presença de palco incríveis! Com repertório cheio de sucessos o STP fez um show contagiante e nem a chuva, que já começava a apertar, foi capaz de desanimar a galera.

Alice In Chains: De volta ao palco Energia veríamos o show de uma das maiores bandas do grunge dos anos 90! A expectativa para esse show era muito grande, e no curto intervalo entre o show do SPT e o deles via-se uma multidão migrando de um palco ao outro. E o Alice In Chains não decepcionou quem esperava há anos para vê-los! A banda, formada por Jerry Cantrell — guitarra, backing-vocal, Sean Kinney — bateria, Mike Inez — baixo, backing-vocal e William DuVall — vocal, guitarra base envolveu o público no clima de suas músicas mesclando momentos de emoção e euforia. Tocando seus grandes hits e clássicos, o Alice In Chains encantou o público presente, que nem se incomodou com a forte chuva que não dava descanso. O destaque, pra mim, fica para o vocalista William DuVall  que cantou com precisão todas as músicas que ficaram imortalizadas na voz do finado Layne Staley.

Faith No More: A grande atração da noite eram eles. Todas as atenções de todos os quase 70.000 presentes no festival estavam focadas no palco Consciência para assistir a esse show épico! Ícone dos anos 90, o Faith No More voltou a subir aos palcos em 2009 e estava prestes a dar o ar de sua graça aos fãs brasileiros. Antes do show, um artista nordestino entrou no palco para anunciar a entrada do Faith No More. E a banda, formada por Mike Patton – voz, Billy Gould – baixo, Mike Bordin – bateria, Roddy Bottum – teclados e Jon Hudson – guitarra, não fez feio! Um show empolgante, com um Mike Patton extremamente inspirado que fez toda a galera esquecer que caía uma forte chuva no local. Com um repertório ousado e influencias de candomblé a banda fez um show sensacional com direito até a presença do coral infantil de Higienópolis. Sem dúvida, o destaque foi Patton, que interagiu intensamente com a galera falando um português fluente e bem descontraído. Um show que entrou pra história, fechando o festival em grande estilo.

No fim do evento, fogos de artifício fecharam a noite com chave de ouro, e os telões já anunciavam que ano que vem haverá mais uma edição do festival. Passando a sua mensagem, o SWU contou com bandas sensacionais levando ao delírio as milhares de pessoas presentes! Valeu a pena se desbancar do Rio pra Paulínia e conferir o festival. Ano que vem, tem mais!

Depois de “twittar” ontem que queria tocar no Rio de Janeiro, a assessoria de imprensa do Vivo Rio reconfirmou o show de Duff Mckagan’s Loaded no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira dia 18 de Novembro as 22:00 hs.

Os ingressos estão de novo à venda na bilheteria do VIVO RIO que fica na Rua Infante Dom Henrique, 85 e funciona das 12:00 hs as 21:00 hs.

A compra também pode ser realizada pelo telefone: 4003 -1212 e stende das 09:00hs as 22:00hs

Na Internet, informações e ingressos podem ser adquiridos nos sites: www.vivorio.com.br  e www.ingressorapido.com.br

Mais duas baixas em shows no Rio de Janeiro, desta vez, os holandeses do Mayan e a banda Duff Mckagan’s Loaded, cancelam suas apresentações no Rio de Janeiro.

Aos que compraram seus ingressos para o show do Mayan, a devolução dos valores pagos por quem já adquiriu ingressos para o show da Fundição Progresso será feita na bilheteria do centro cultural. Informações através do site http://www.fundicaoprogresso.com.br ou pelo tel. (21) 2220 5070.

Para quem iria ao show da banda norte-americana Duff McKagan’s Loadedpara ter seu dinheiro devolvido, os fãs deverão comparecer ao local em que foi feita a compra, na bilheteria do Vivo Rio (seg. a sáb 12h/21h; dom. 12h/20h) ou nos pontos de venda da Ingresso Rápido (tel. 4003-1212).

Os motivos dos cancelamentos não foram divulgados, mas tudo leva a crer que a baixa procura por ingressos tenha sido o fator determinante. Lamentável.

 

 

O Duff Mckagan’s Loaded, banda atual do ex- baixista do GUNS N’ ROSES, anunciou na última semana a inclusão do Rio de Janeiro no roteiro de passagem do grupo pelo Brasil no próximo mês de novembro.

E agora foram divulgados os preços da apresentação carioca, que acontece no dia 18 de novembro no Vivo Rio. Os valores das entradas variam entre R$ 100 e R$ 200. O show no RJ tem classificação de 16 anos e a apresentação está marcada para começar às 22h.

A turnê pelo país faz parte da divulgação do último álbum lançado pelo Duff Mckagan’s Loaded, “The Taking” (2011). Antes de passar pela Cidade Maravilhosa, a banda se apresenta no festival SWU, em São Paulo (14/11), depois segue para Porto Alegre, onde toca no Pepsi on Stage (16/11), e também passa por Curitiba, no Master Hall (17/11).

Serviço:

Duff Mckagan’s Loaded no Vivo Rio

Ingressos:
Camarote A R$ 199
Camarote B R$ 99
Pista Superior R$ 99
Pista 1º lote R$ 79
Pista 2º lote R$ 99
Pista 3º lote R$ 119

Vendas pela Internet:

http://www.vivorio.com.br
http://www.ingressorapido.com.br

 

Fonte: Vivo Rio