Posts com Tag ‘Demophobia’

Após 2 anos de hiato devido à pandemia do COVID-19, a banda paulista de metalpunk Demophobia retoma as atividades com o lançamento do single “O Chamado”, que chega acompanhado de do lyric video produzido por Alcides Burn.

“Os dois anos de pandemia tornaram o cenário muito incerto. Não sabíamos o que esperar desse retorno, pois alguns planos da banda foram adiados”, comenta o baixista João Medeiros. “No entanto, percebemos que para voltar precisaríamos de um material coeso, algo que nos colocasse em um outro nível e que mostrasse que não ficamos parados no tempo. Precisávamos dar um passo além dentro da nossa essência. Por conta disso, gravar “O Chamado” nos proporcionou muito mais dedicação e várias experiências novas, tanto em termos de composição, quanto de gravação e produção”.

A faixa relata um importante episódio da história brasileira: a luta de trabalhadoras e trabalhadores da região do ABC Paulista entre 1979 e 1981 por melhor qualidade de vida e maior participação na vida política do país. 

O single foi gravado no tradicional estúdio Family Mob em São Paulo com produção de Hugo Silva (Surra, Desalmado, Manger Cadavre?).

Formada em meados de 2018, na região do ABC Paulista, a banda Demophobia traz em sua essência a mistura e o peso do thrash e do death metal com a agressividade do punk e hardcore, tendo suas letras cantadas em português.

O Demophobia busca criar o seu próprio estilo e, por meio de sua temática e sonoridade, colocar às claras o emaranhado das relações político-sociais da sociedade brasileira. O nome da banda vem do grego antigo, em que Demo significa ‘Povo’ e Phobos ‘temor’, representando, assim, o medo que a elite econômica possui do povo, ou, simplesmente, da democracia.

Com Rafael Vieira (Vocal), Paulo Vitor (guitarra), João Medeiros (baixo) e Arthur Henrique (bateria), o grupo lançou o seu primeiro trabalho em abril de 2019, o EP ‘Moinhos de Gastar Gente’ (disponível em todas as plataformas digitais, para download gratuito no Bandcamp e também em CD físico). O primeiro trabalho da banda contou com o apoio de três selos, sendo um do ABC (Brutal Grind), um de São Paulo (Die Hard Records) e um de Manaus (Manaós).

Em 2019, realizou 13 shows, nas regiões do ABC, São Paulo, São José dos Campos, Suzano e Jandira. Tendo tocado ao lado de bandas como Amorfo, Trassas, Red Razor e Anthares. Em fevereiro de 2020 a banda lançou o single “Modus Operandi”. Assim como o EP “Moinhos de Gastar Gente”, a música foi gravada em São Bernardo do Campo, no estúdio Toca do Chico Preto, com produção de Victor Prospero. 

A banda também está trabalhando na pré-produção de seu primeiro álbum, a ser lançado no segundo semestre de 2022.

Formação:
Rafael Vieira (vocal)
Paulo Vitor (guitarra)
João Medeiros (baixo)
Arthur Henrique (bateria)

Para mais sobre DEMOPHOBIA visite os canais oficiais FACEBOOKINSTAGRAM e YOUTUBE

Reverbera Music Media

Demophobia - Capa EP

O EP “Moinhos de Gastar Gente” da banda DEMOPHOBIA, do ABC Paulista, retrata o grito de revolta de quem vive em um país que nunca abandonou a sua principal instituição, a escravidão. Envolto em uma sonoridade agressiva, que engloba as muitas influências de Rafael Vieira (vocal), Paulo Vitor (guitarra), João Medeiros (baixo) e Arthur Henrique (bateria), é através de letras de contestação que o grupo vem adquirindo uma cara própria, já presente neste EP de estreia, lançado em abril do ano passado. De lá pra cá, após vários shows, o quarteto segue trabalhando em novas músicas, sendo que o single “Modus Operandi” já está presente nas plataformas digitais. Sobre a capa, o autor João Medeiros, que além de baixista da banda é designer gráfico, explica que “através de colagem digital, ilustração, e manipulação de imagem, o conceito mostra a podridão de uma justiça seletiva que opera o sistema com favorecimentos e interesses antidemocráticos”.

 Ouça “Moinhos de Gastar Gente” no Youtube:

João Medeiros, que também é responsável por todas as artes do DEMOPHOBIA, explicou como surgiu seu interesse pelas artes gráficas: “Posso dizer que meu interesse tem total relação com a música. Foi através dela que ingressei na área em que atuo até hoje. Quando comecei, e ainda era adolescente, fui atrás de estudos que me ensinassem a trabalhar com ilustração digital, pois eu era fascinado pelas artes e capas de discos das bandas, principalmente do heavy metal. Era isso que eu queria fazer da vida, porém através dos estudos em design e publicidade, acabei indo por um caminho um pouco diferente do planejado. É por isso que no momento, acredito que estar no Demophobia, além de ter a curtição de tocar e compor, tem me proporcionado a realização de fazer parte de algo que sempre me identifiquei e nunca tinha tido a chance de trabalhar, que é a arte gráfica voltada para música”. Entretanto, apesar de cuidar das artes do DEMOPHOBIA, João não trabalha para outras bandas, mas mostra-se disposto a colaborar, como explicou: “estou disposto também a trabalhar para outras bandas, se estiver de acordo com as propostas delas. O meu método de trabalho é um pouco diferente do convencional, pois não desenho mais tanto quando fazia no passado. Atualmente, trabalho diretamente com colagens e manipulações de imagem, isso tem se tornado uma marca na identidade do Demophobia”.

 Confira o EP “Moinhos de Gastar Gente” no Spotify:

https://open.spotify.com/album/7qki7mGC4R2tBvtgi9HFeM

A capa do EP “Moinhos de Gastar Gente” é uma releitura da pintura “Engenho Manual que Faz Caldo de Cana”, de Jean-Baptiste Debret, de 1822. Debret foi um pintor, desenhista e professor francês que integrou a Missão Artística France em 1817, fundando, no Rio de Janeiro, o que viria a se tornar a Academia Imperial de Belas Artes, onde chegou a lecionar. Já de volta à França, publicou o livro “Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil”, onde documentou diversos aspectos da natureza, do homem e da sociedade brasileiro no início do século XIX. O baixista/designer comentou como foi trabalhar nesta releitura da obra de Debret: “Quando comecei a trabalhar, eu não tinha essa ideia em mente ainda. Eu estava pesquisando algumas referências em imagens relacionadas à escravidão e também algo que simbolizasse moinhos antigos, para fazer ligação com o nome do álbum. Eu já conhecia esta obra do Debret e não lembrava dela, mas quando por acaso cheguei a essa imagem, imediatamente já percebi que poderia fazer algo bem interessante, até porque é uma referência direta ao Brasil colonial, e estava tudo relacionado ao que estávamos escrevendo. Utilizando a obra como base, eu fui desenhando os corpos e utilizando recursos de colagem digital, pois queria deixar com um aspecto mais punk e na máxima ausência de cores que conseguisse. Acho que no final, consegui chegar bem perto do resultado que estava buscando. Com relação a outras obras do Debret, eu não sou um profundo conhecedor, mas posso dizer que é uma boa referência artística para quem deseja trabalhar com o tema da escravidão”.

Contatos:

Facebook: www.facebook.com/demophobia.band

Instagram: www.instagram.com/demophobiaband

Bandcamp: http://demophobia.bandcamp.com

Assessoria de Imprensa: www.wargodspress.com.br

Wargods Press