A Cor do Som: comemora quatro décadas no Teatro Rival Petrobras

Publicado: 04/12/2019 por Pedro Mello em Eventos, News, Uncategorized
Tags:, , ,

05-12-2019-A-Cor-do-Som-FLYER-1080-900-1.jpg

Em dezembro, o Teatro Rival Petrobras tem comemoração histórica! O grupo A Cor do Som, que sacudiu a galera nos anos 1970/80 com inúmeros sucessos, completou 40 anos de carreira e, para celebrar a marca, apresenta o CD “A Cor do Som – 40 anos”, que chega agora ao mercado no formato CD físico. O grupo – que mantém a formação original com Armandinho (guitarra e voz), Dadi (baixo e voz), Mú Carvalho (teclados e voz), Gustavo Schroeter (bateria) e Ary Dias (percussão) – vai contar, no show do dia 5 de dezembro, com participações dos músicos da nova geração: Luiz Lopes (guitarra e vocal) e Pedro Dias (baixo e vocal), da banda Filhos da Judith.

No show de lançamento do CD, o grupo apresentará novas canções como “Alvo certo”, de André Carvalho e Dadi Carvalho, e “Somos da cor”, de Armandinho e Maria Vasco, além de releituras de seus maiores sucessos, como “Abri a porta”, de Gilberto Gil e Dominguinhos; “Alto astral”, de Mú Carvalho, Dadi e Evandro Mesquita; “Zanzibar”, de Armandinho e Fausto Nilo; e “Swingue menina”, de Mú Carvalho e Morais Moreira.

O novo disco conta com convidados ilustres: Gilberto Gil (voz e violão em “Abri a porta”), Roupa Nova (em “Alto astral”), Samuel Rosa (voz em “Zanzibar”), Lulu Santos (voz em “Swingue menina”), Djavan (voz em “Alvo certo”), Moska (violão e voz em “Magia tropical”), Flávio Venturini (órgão e voz em “Eternos meninos”) e Natiruts (em “Semente do amor”).

Texto sobre o CD “A Cor do Som – 40 anos”, do jornalista e crítico musical Antônio Carlos Miguel

Caso raro de grupo que se mantém unido e criativo em quatro décadas de carreira, A COR DO SOM comemora o feito com um disco certeiro e vigoroso. O repertório de “40 anos” tanto aponta para o futuro, com cinco canções novas, quanto reafirma o passado original da banda, em sete regravações de clássicos tirados de seus primeiros álbuns. O resultado é vintage, fiel ao estilo criado por Armandinho, Dadi, Mú Carvalho, Gustavo Schroeter e Ary Dias; e contemporâneo, em refinada produção do Roupa Nova Ricardo Feghali (que também participou no piano ou nas programações e dividiu os arranjos com A Cor do Som).

“A Cor do Som 40 anos” terá também uma versão em vinil. Mais um brinde desse bolo musical de aniversário, que também traz deliciosas cerejas nas participações especiais de Gilberto Gil (voz e violão em “Abri a porta”), Roupa Nova (em “Alto astral”), Samuel Rosa (voz em “Zanzibar”), Lulu Santos (voz em “Swingue menina”), Djavan (voz em “Alvo certo”), Moska (violão e voz em “Magia tropical”), Flávio Venturini (órgão e voz em “Eternos meninos”) e Natiruts (em “Semente do amor”).

Com sua inusitada e orgânica fusão de pop, choro, trio elétrico e progressivo, A Cor do Som foi a grande surpresa da música brasileira em fins dos anos 1970, antecipando o rock que iria imperar na década seguinte. O grupo começou a nascer no primeiro álbum solo de Moraes Moreira, em 1975, recém-saído dos Novos Baianos. Estavam nessas gravações  Dadi (o jovem baixista carioca que tinha entrado para a comunidade musical dos Novos Baianos e também tocava com Jorge Ben), Armandinho (o mestre da guitarra baiana e do bandolim, filho do Osmar, um dos inventores do trio elétrico) e Gustavo (outro carioca, baterista que veio do grupo A Bolha e também músico de Jorge Ben), com  Mú (pianista e tecladista, irmão caçula de Dadi) estreando profissionalmente em uma faixa – e, logo em seguida, incorporado à banda nos shows. Já Ary Dias (percussionista baiano que veio de Banda do Companheiro Mágico), tocou no disco de estreia d’A Cor, mas só entrou oficialmente, completando a formação clássica, a partir do segundo álbum.       

Como Dadi, mais de três décadas depois, contou no livro de memórias “Meu caminho é chão e céu” (Record, 2014), a paixão de Armandinho e Mú pelo choro foi o estímulo para as primeiras músicas do grupo que começava a nascer. Quanto ao nome, foi pedido emprestado a Galvão e Pepeu Gomes, que chamavam de A Cor do Som o núcleo instrumental dos Novos Baianos.

Após dois discos instrumentais de grande repercussão junto à crítica, “A Cor do Som” (1977) e “Ao vivo” (registro do show no Festival de Jazz de Montreux , em julho de 1978), as portas se abriram de vez para o grupo quando Armandinho, Dadi e Mú também assumiram os microfones. Parcerias deles com, entre outros, Moraes Moreira e Fausto Nilo ou composições feitas especialmente para A Cor por Caetano e Gil garantiram as altas execuções nas emissoras de rádio e TV e os shows lotados por todo o Brasil.

Sucesso sem precedentes que durou por cerca de cinco anos, até o grupo ser atropelado pelo rock da geração seguinte. A partir do século XXI, o original som d’A Cor, que antecipava a mistura do rock com ritmos brasileiros, voltou a ser valorizado, citado como referência por muitos dos artistas que surgiram depois. Reconhecimento que é celebrado agora em “40 anos”. Como os bons vinhos, A Cor do Som soa melhor ainda com o passar do tempo, e brinda com esse diversificado leque de convidados.

A Cor do Som – 40 anos

https://www.facebook.com/ACordosomOficial/  

Serviço

Teatro Rival Petrobras – Rua Álvaro Alvim, 33/37 – Centro/Cinelândia – Rio de Janeiro. 

Data: 05 de dezembro (quinta-feira). 

Horário: 19h30. 

Abertura da casa: 18h. Ingressos: Setor A R$100,00 (inteira) R$50,00 (lista amiga) Setor B R$80,00 (inteira) R$60,00 (promoção para os 100 primeiros pagantes) R$40,00 (lista amiga) . 

Venda antecipada pela Eventim – http://bit.ly/TeatroRival_Ingressos2GIaEKp 

Bilheteria: Terça a Sexta das 13h às 21h | Sábados e Feriados das 16h às 22h 

Censura: 18 anos. www.rivalpetrobras.com.br

Informações: (21) 2240-9796. 

Capacidade: 350 pessoas. 

Metrô/VLT: Estação Cinelândia.

 

*Meia entrada: Estudante, Idosos, Professores da Rede Pública, Funcionários da Petrobras, Clientes com Cartão Petrobras e Assinantes O Globo

 

SG Assessoria de Imprensa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s