Grave Digger: Alemães divulgam “The Living Dead” no Rio de Janeiro

Publicado: 12/06/2019 por Pedro Mello em News, Resenhas Shows, Uncategorized
Tags:, ,
DSCN2886

Chris Boltendahl

Quatro anos após a última passagem pelo Rio de Janeiro, os alemães do Grave Digger retornam ao Teatro Odisséia com algumas novidades. A primeira delas logicamente é a presença de músicas do mais novo álbum da banda, The Living Dead (2018). A segunda é a ausência do baterista Stefan Arnold, que saiu da banda após a gravação do álbum.

Sendo assim, a responsabilidade das baquetas ficou a cargo do tecladista, Marcus Kniep, que acompanha a banda já a algum tempo. Já o citado teclado, bem… este fora substituído por um sampler. O restante do time continua o mesmo, a voz inigualável de Chris Boltendahl, o baixo de Jens Becker, e a guitarra de Axel Ritt.

Precisamente no horário marcado, 21:00 Hs, a banda sobe ao palco. Com um bom público presente, a banda mostra que o Power Metal ainda respira e que não precisa de ajuda de aparelhos.

DSCN2976

Axel Ritt

Ovacionada pelos presentes, a banda iniciou o set com a nova composição, Fear Of The Living Dead, também faixa de abertura do novo álbum. A composição funcionou bem diante ao público. A banda apresenta uma trajetória bastante linear. O Grave Digger seguiu o show mesclando músicas de toda a sua carreira, arrancando coros do público presente.

Clássicos como Lionheart, Rebellion, Excalibur, e The Bruce foram entoadas por todos os presentes tirando vários sorrisos de Chris Boltendahl, que se mostrava um tanto quanto orgulhoso. As composições mais recentes mostram sua força e possuem total condição de serem consideradas como clássicos daqui a alguns anos, a única música que soou meio estranha, mas que para o público foi um grande momento de diversão foi Zombie Dance, é para se amar, ou odiar.

Fechando a noite, claro, não poderia faltar o hino, Heavy Metal Breakdown, música que nomeia o primeiro álbum dos alemães, lançado em 1984 e até hoje um dos maiores sucessos da banda.

thumbnail

Chris Boltendahl

Agora vamos aos detalhes técnicos, visivelmente Marcus Kniep precisa de mais tempo de estrada se realmente quiser assumir de vez o banquinho da bateria, apesar de algum tempo na banda, 10 anos para sermos exatos, o exímio showman Axel Ritt, ainda insiste em tentar mudar, ou talvez ele simplesmente não consiga executar, alguns solos de músicas mais antigas. Jens e Chris já possuem tempo suficiente de estrada e entrosamento para que alguma falha ocorra por conta deles.

Grande parte do público foi embora satisfeita, digo grande, porque com uma carreira tão extensa, fica difícil a banda conciliar tantos clássicos com os sons novos, completamente plausível. Mais uma daquelas noites em que os ponteiros do relógio deveriam correr mais devagar. Hail!!!

DSCN2941.jpg

Jens Becker

Setlist: Fear of The Living Dead / Tattooed Rider / The Clans Will Rise Again / Lionheart / Blade of The Immortal / Lawbreaker / The Bruce (The Lion King) / The Dark of the Sun / Call For War / The Curse of Jacques / War God / Season of the Witch / Highland Farewell / Circle of Witches / Excalibur / Rebellion (The Clans Are Marching) / Bis: Healed By Metal / Zombie Dance / The Last Supper / Heavy Metal Breakdown.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s