Renaissance: Não Apenas Annie Haslam, Mas o Pau Também Cantou na Apresentação no Rio de Janeiro

Publicado: 31/05/2017 por Pedro Mello em News, Resenhas Shows, Uncategorized
Tags:, ,
Insta-1-16.jpg

Annie Haslam

Com quase 50 anos de carreira, 16 álbuns de estúdio gravados e 5 registros ao vivo, o conjunto Prog, Renaissance, aporta pela primeira vez no Brasil. A banda que conta hoje com Annie Haslam (Vocal), Rave Tesar (Teclados), Tom Brislin (Teclados / Vocal), Mark Lambert (Guitarra / Vocal) , Frank Pagano (Bateria / Percusão / Vocal) e Leo Traversa (Baixo / Vocal) fez o terceiro show da turnê “Songs For All Times” no Vivo Rio.

O responsável pela brilhante iniciativa de trazer a banda foram os produtores da Top Cat Produções, em parceria com o próprio Vivo Rio. As duas entidades planejam trazer uma série de shows memoráveis a cidade e recuperar o sorriso do carioca em poder assistir belas apresentações.

A banda subiu ao palco com um pequeno atraso e sem produção de palco, desnecessária se formos levar em consideração o talento dos músicos. Ovacionados pelos presentes, a banda iniciou seu set com ‘Carpet Of The Sun’, música presente no clássico álbum “Ashes Are Burning” (1973). Na sequência mais um clássico, ‘Ocean Gypsy’ (“Scheherazade And Other Stories” – 1975), e as novas, ‘Grandine Il Vento’ e ‘Symphony Of Light’ do álbum de mesmo nome lançado em 2013.

A banda estava bem animada, Annie muito comunicativa, conversando várias vezes com os presentes. Os destaques do set ficam para as excepcionais: ‘Mother Russia’ (“Turn Of The Cards, 1974), ‘A Song For All Seasons’ (Homônimo de 1978) e ‘The Mystic And The Muse’ (“Sheherazade And Other Stories”).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com exceção da bateria, todos os outros instrumentistas tiveram tempo para seus solos, com muita elegância, a banda se divertia. Engraçado foi o fato do guitarrista Mark Lambert só empunhar uma guitarra apenas no momento de seu solo, já que o músico se apresentou o tempo todo acompanhado por um violão. E fez bonito.

Homenageando o país, a banda executou ‘Quiet Nights Of Quiet Stars’, versão em inglês para a música ‘Corcovado’, composta por Tom Jobim.Estava indo tudo muito bem, a emoção tomava conta dos presentes, quando repentinamente um tumulto se formara no meio das cadeiras dispostas no Vivo Rio, dois distintos cavalheiros, completamente embriagados, começaram a se digladiar no início de ‘Ashes Are Burning’. Na confusão, três pessoas foram retiradas do local, mas mesmo com a banda voltando a tocar, o sentimento de tristeza e vergonha já estava instaurado.

Após o incidente, finalmente ‘Ashes Are Burning’ fora tocada. Talvez, o maior clássico do Renaissance e acompanhada pela voz de quase todos os presentes.

Com performance fenomenal, o Renaissance, em pouco mais de uma hora e quarenta de show, descontando o momento vergonhoso,  se despede do Rio de Janeiro. Claro que os músicos envolvidos possuem  uma qualidade muito acima da média, mas não podemos deixar de enaltecer a performance de Annie Haslam, que com seus 69 anos, ainda canta como se estivesse em início de carreira. Se Deus fosse mulher e necessitasse de uma voz, seria a voz de Annie Haslam.

Renaissance Setlist: Prologue / Carpet of the Sun / Ocean Gypsy / Grandine Il Vento / Symphony of Light / Let It Grow / Mother Russia / The Mystic and the Muse / Sounds of the Sea / A Song for All Seasons / Bis: Quiet Nights Of Quiet Stars (Tom Jobim Cover) / Ashes Are Burning.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s