Sonata Arctica: Sucesso em Três Anos Consecutivos no Rio de Janeiro

Publicado: 16/03/2015 por Pedro Mello em Eventos, News, Resenhas Shows
Tags:, , ,

DSCN2548

 Sonata Arctica, pela primeira vez no Circo Voador

Três anos consecutivos, somando quatro shows, visitando o Rio de Janeiro. É nesse pique que o Sonata Arctica retornou ao Rio de Janeiro no último dia 03 de Março. A banda que já havia tocado em 2013 e 2014 no Teatro Rival, com apresentações “sold out”, desta vez se apresentou no Circo Voador.

A casa abriu no horário previamente avisado e a fila que tinha um tamanho razoável foi entrando na casa de maneira ordeira. Aos poucos o público entrou no Circo Voador e se mostrava disperso, o que chegou a dar a impressão de que os finlandeses já tinham saturado sua cota de visitas ao Rio. Ledo engano, pois quando a banda subiu ao palco, o Circo Voador foi tomado pelos fãs, que com certeza era o maior público que o Sonata Arctica vira até então por estas bandas.

O baterista Tommy Portimo foi o primeiro a subir e incitar os presentes, seguido por Elias Viljanen (Guitarras), Henrik Klingenberg (Teclados), Pasi Kauppinen (Baixo) e por último e sem demora, Tony Kakko (Vocais). A banda entrou com disposição e abriu o show com “The Wolves Die Young” (Pariah’s Child – 2014), a música tem sido muito bem recebida pelos fãs e tem se mostrado muito eficaz ao vivo.

DSCN2472

Elias e Henrik

Aproveitando o ensejo devido a releitura do primeiro álbum da banda, Ecliptica – 1999, a banda exucutou “8th Commandment” seguida por “Paid In Full” (Unia – 2007) e mais uma das novas:”What Did You Do in the War, Dad?”.

O Sonata Arctica é a prova de que o Metal Melódico ainda tem seu público cativo, o show seguiu com uma mistura de clássicos como “Black Sheep” (presente no álbum Silence – 2001), “San Sebastian”(Sucessor EP – 2000), a indispensável “Fullmoon” (Ecliptica) e “I Have a Right”, que apesar de ter sido lançada em 2012 no álbum Stones Grow Her Name, já garantiu sua permanência no set da banda, e as novas “X Marks the Spot” e “Love”, balada que foi responsável por inúmeros beijos desferidos entre os casais presentes. 

Os músicos aparentavam estar cansados, mas não deixaram o pique cair em nenhum momento da apresentação, muito carismáticos e visivelmente satisfeitos com o público, que entoaram todas as músicas com muita vontade, a banda retornou para o bis com “My Land” e “Replica”, ambas de Ecliptica, “Don’t Say a Word” (Reckoning Night – 2004) e a tradicional despedida com “Vodka”.

DSCN2526

 A cozinha formada por Tommy e Pasi

Um excelente show, com alguns deslizes técnicos como o microfone de Kakko que falhou na primeira música, e a iluminação que estava bem estranha, como o foco de luz ficar em cima de Elias, quando Henrik era quem estava solando, mas mesmo esses pequenos detalhes não tiraram o brilho dos finlandeses. 

Set List: Preacher / Larger Than Life Intro / The Wolves Die Young / 8th Commandment / Paid in Full / What Did You Do in the War, Dad? / Losing My Insanity (Ari Koivunen cover) / Black Sheep / Letter to Dana / Blood / I Have a Right / X Marks the Spot / Love / San Sebastian / UnOpened  / FullMoon / Bis: My Land / Replica / Don’t Say a Word / Vodka.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s